O Bitcoin está morrendo, diz ex-economista do FMI

A dificuldade do Bitcoin em manter seu preço acima de US$ 10 mil fez com que o valor da principal criptomoeda do mercado desabasse abaixo de US$ 7 mil alimentando incertezas quanto ao futuro da do BTC e sua capacidade enquanto reserva de valor.

A recente queda fez com que o ex-economista do Tesouro dos EUA e do Fundo Monetário Internacional, Mark Dow, declarasse em sua conta oficial no Twitter, que o Bitcoin está morrendo e permanece cético com relação a uma possível recuperação do criptoativo. Para ele não há futuro para o Bitcoin.

Dow não é primeiro a decretar a morte do Bitcoin, de fato, segundo dados do Obituário do Bitcoin, mais de 378 pessoas em todo o mundo já decretaram a morte da principal criptomoeda do mercado que apesar de tudo, continua viva e em desenvolvimento.

Entretanto, as perspectivas de valorização a curto prazo não são as melhores.

Recentemente o medo tomou conta dos mercados com a notícia de que as autoridades chinesas invadiram os escritórios da Binance, uma das principais exchanges de criptomoedas do mercado. embora o CEO da Binance, CZ, tenha declarado que nada ocorreu, autoridades chinesas confirmaram que estão em busca de 'operadores ilegais' de criptomoedas no país.

Os pessimistas usarão esses momentos de baixa para espalhar ainda mais o pânico entre os participantes do mercado, emitindo metas estranhas no lado negativo.

Embora não tenha declarado, como fez Dow, a morte do BTC, para o mega empresário americano Peter Schiff o Bitcoin pode cair para US$ 1.000, uma vez que formou um padrão de cabeça e ombros.

Já segundo o analista gráfico do Cointelegraph, Rakesh Upadhyay, o Bitcoin (BTC) quebrou abaixo do suporte crítico em US$ 7.337,78, que é a retração de Fibonacci de 61,80% de todo o movimento ascendente, desde os mínimos anuais até os máximos anuais.  Segundo Upadhyay, este é um sinal de baixa e se os bears conseguirem diminuir o preço abaixo da linha de suporte, é possível uma queda para US$ 5.533,90.

No entanto, o criador da Cardano, Charles Hoskinson, disse que espera que o Bitcoin (BTC) volte para mais de US$ 10.000 e alcance US$ 100.000 no futuro. Para ele, as criptomoedas são imparáveis e são o futuro, desta forma, segundo ele, em breve o medo cairá por terra e o Bitcoin voltará a crescer.

Como noticiou o Cointelegraph, a baixa no BTC não assustou os mineradores, já que a taxa de hash em 23 de novembro quase coincidiu com a máxima anterior de todos os tempos. Com 134 quintilhões de hashes por segundo.

Confira mais notícias