Nigéria: Vigilante financeiro recebe petição contra exchange cripto por encerramentos de contas

A empresa de cripto sediada na Estônia, a Paxful Inc., foi acusada de fraudar investidores nigerianos em milhões de dólares em criptomoedas através de fechamentos arbitrários de contas.

A notícia foi divulgada pela agência de mídia local Punch em 7 de abril.

Segundo o relatório, a organização nigeriana sem fins lucrativos United Global Resolve for Peace (UGRP) entrou com uma petição em 2 de abril com a agência financeira do país, a Comissão de Crimes Econômicos e Financeiros (EFCC), que descreve as alegações malignas da Paxful's Inc. práticas e seu impacto em sua base de clientes nigerianos.

Assinado pelo diretor executivo da UGRP Shalom Olaseni, a petição alega que:

“A plataforma de negociação e exchange de criptomoeda, 'https://paxful.com', os desvinculou de seu investimento vitalício em criptomoedas, suspendendo suas contas, desativando suas carteiras e recusando-se a devolver o valor em suas contas, mesmo depois de investigar e encontrar que eles não estavam envolvidos em nenhuma atividade fraudulenta.”

A petição acusa a empresa de "desrespeito intencional por contrato e regras de transação comercial" ao não reativar o acesso a fundos de usuários, mesmo depois de investigações consideradas infundadas.

A petição alega ainda que a Paxful gerou US$ 20 milhões em lucro através da exchange em 2018, com os clientes nigerianos supostamente fornecendo 40% da receita de negócios em Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Litecoin (LTC) e outras criptomoedas. .

Uma suposta vítima, Samuel Olanrewaju, disse à Punch que perdeu o acesso a três BTCs (cerca de 15.750 dólares até o momento da divulgação) desde novembro de 2018, alegando que a empresa o havia falsamente acusado de criar um perfil de usuário falso e se recusou a responder às suas perguntas. Depois disso.

A Paxful, por sua vez, negou firmemente a sua conta e os encerramentos de carteiras foram arbitrários, alegando em um e-mail à Punch que “todas as contas que foram fechadas têm uma razão para isso. Não encerraremos nenhuma conta, a menos que eles violem nossos Termos de Serviço (TOS) ”.

O porta-voz da EFCC, Tony Orilade, confirmou no noticiário que o órgão havia recebido a petição e investigaria as alegações.

Em março do ano passado, a Corporação de Seguro de Depósito da Nigéria (NDIC) alertou os cidadãos nigerianos contra o uso de criptomoedas, observando que eles não são autorizados pelo banco central da Nigéria e, conseqüentemente, não são segurados pelo NDIC.