Startup nova-iorquina Curv levanta US$ 6,5 milhões e planeja 'revolucionar a custódia de criptomoedas'

A Curv, uma startup de ativos digitais sediada nos Estados Unidos , arrecadou US$ 6,5 milhões para lançar uma carteira de ativos digitais baseada em nuvem para instituições financeiras que não usam chaves privadas, revela um comunicado à imprensa publicado em 26 de fevereiro.

Como o Cointelegraph já mostrou, armazenar criptomoedas de forma segura nem sempre é fácil. É em busca da solução para este problema que a Curv trabalha: a ideia da empresa é substituir o método de armazenamento atual por uma alternativa mais moderna, prática e simples - e tão segura quanto.

O método consiste em dividir a “chave privada” digital entre vários indivíduos confiáveis, com um sistema que depende da matemática e da computação em nuvem.

O problema com os métodos atuais surge porque o dinheiro digital não tem forma física e pode ser roubado por qualquer pessoa que conheça a chave privada - uma longa cadeia de caracteres alfanuméricos - que desbloqueia a carteira onde está armazenada. 

De acordo com o comunicado da empresa, a rodada de investimentos foi liderada pela Digital Currency Group, empresa de investimentos em ativos digitais, e pela Team8, empresa israelense de segurança cibernética. A rodada também contou com a participação do Monex Group, Flybridge Capital, Jump Capital e Liberty City Ventures.

A Curv diz que alcançou um avanço no armazenamento de criptografia implantando a computação multipartidária (MPC). Esse é um campo relativamente novo da criptografia que permite que várias pessoas calculem funções como somas ou médias sem revelar as entradas que as abastecem. 

“Cinco anos atrás, levaria muito tempo e muito tráfego de rede para fazer isso. O avanço é que a matemática pode ser reduzida a um cálculo de sub-segundo. Isso significa que é possível fazer algo por meio de uma implantação na nuvem ", disse o CEO da Curv, Itay Malinger, em entrevista à Fortune.

Malinger, um veterano da gigante de segurança digital Akamai, acrescentou que bancos e fundos de hedge (ele não divulgou quais) testaram o sistema da Curv nos últimos meses. Além disso, o aplicativo de compra de ações e criptomoedas eToro, popular entre os millennials na Europa, vem utilizando o sistema da Curv.

Segundo Malinger, o armazenamento de chaves privadas em locais fisicamente seguros pode diminuir algumas das grandes qualidades das cryiptomoedas. 

“A tecnologia blockchain tem duas coisas a oferecer - descentralização e um mundo digital sempre online. O armazenamento em bunker está indo para trás. Você está utilizando o Bitcoin, uma das maiores inovações da última década, e em vez de torná-lo acessível, você o coloca em um bunker dos anos 50 ", disse ele.

A nova oferta da Curv ocorre em um momento interessante do mercado: ao mesmo tempo em que o interesse do consumidor em criptomoedas diminuiu em algumas partes do mundo, o dinheiro institucional investido em ativos digitais nos últimos meses vem aumentando consideravelmente, como mostrou o Cointelegraph

O sistema de computação multipartidário da Curv para armazenamento ainda não está comprovado no mercado, mas a decisão da grande corretora eToro de usá-lo equivale a um grande voto de confiança.

A fabricante de carteiras de hardware com criptomoedas Ledger também está desenvolvendo sua própria oferta de custódia institucional, chamada Ledger Vault. A empresa recentemente se expandiu para Nova York como parte desse desenvolvimento.

Enquanto isso, o aparente fracasso do gerenciamento de ativos da extinta exchange de criptomoedas QuadrigaCX continua a se desdobrarsupostamente devido ao que Curv se refere como o “ponto único de falha associado às chaves privadas”.