Pesquisa da Moody alerta a empresas que blockchains privadas contém novos riscos

O serviço de investimento da agência de avaliação de crédito dos Estados Unidos Moody alertou para os perigos envolvendo blockchains privadas e públicas em uma nova pesquisa publicada em 25 de abril.

Parte de uma investigação sobre o potencial impacto da tecnologia blockchain em finanças estruturadas, relatório destaca diferenças importantes para atuais tendências do mercado.

Específicamente, as empresas devem ficar atentas aos prós e contras envolvendo o uso de blockchains privadas, que poderiam rodar sem um mecanismo de consenso ou governância descentralizado e portanto estarem abertas a manipulação.

“Novos riscos da tecnologia blockchain em securitizações podem surgir, assim como o reforço de alguns já existentes”, diz um resumo do documento de pesquisa. Continua:

“Os riscos incluem concentração de contrapartes, TI e riscos operacionais, governância blockchain inapropriada e problemas regulatórios.”

Como noticiou o Cointelegraph diversas entidades globais têm procurado alavancar blockchain de uma forma ou de outra buscando alavancar setores específicos do mercado.

Os esforços resultaram em formas de blockchain que estão distantes da estrutura descentralizada por trás do Bitcoin (BTC), com algumas, como a tecnologia blockchain editável da Accenture, permitindo até que os usuários alterem o fluxo de informações contidas na rede.

Para a Moody, estes recursos envolvem riscos inerentes.

“As blockchains privadas / centralizadas estão mais expostas ao risco de fraude porque o projeto e a administração do sistema permanecem concentrados com uma ou poucas partes”, resume o relatório.

No começo do mês, o Fórum Econômico Mundial reportou que o interesse em blockchain era alto entre bancos centrais, com 40 deles considerando o uso de fenômenos como as moedas digitais.

Os governos do Afeganistão e Tunísia, enquanto isso, disseram ao Fundo Monetário Internacional que querem emitir títulos baseados em Bitcoin no futuro.