Golpista de MG enganava mulheres, mantinha família em cativeiro e extorquia idoso afirmando investir em Bitcoin

O Supremo Tribunal Federal (STF), maior instância jurídica do país, por meio de uma decisão do ministro Alexandre Moraes, negou, em 16 de setembro, um pedido de Habeas Corpus de Eliel Felipe Quadra, acusado de diversos crimes e golpes, inclusive de manter uma família em cativeiro e de extorquir um idoso afirmando investir em Bitcoin.

Os supostos crimes de Quadra teriam chocado até mesmo as autoridades, não só pela sua extensa ficha criminal, mas também pela forma e brutalidade com que praticava seus atos. Eliel é acusado de aplicar golpes em mulheres em Minas Gerais e de manter uma família em cativeiro no Rio de Janeiro. Eirel também é acusado de sequestro, latrocínio e homícidio.

No processo que levou o Ministro do STF a negar a soltura do acusado, Alexandre Moraes relata que uma das vítimas do suposto criminoso, Antônio Cezar Chaves possuía um relacionamento extraconjugal com uma pessoa de nome Cintia, supostamente ligada a Eirel. Esta, em um dos encontros entre eles, fez Antônio ingerir bebida misturada com alguma substância sonífera, fazendo o mesmo dormir, e assim, Cintia teria aproveitado e se apropriado do cartão de crédito da vítima, fazendo compras no valor total de R$ 10.000,00 (dez mil reais).

"Após, a vítima só teria tomado conhecimento do fato quando a fatura de seu cartão de crédito havia chegado. Com isso, o ofendido confidenciou a questão para um amigo de nome Marcelo Aparecido de Oliveira, quem havia conhecido no CEFET enquanto lá trabalhava. Sendo assim, Marcelo apresentou Eliel Felipe Quadra, como sendo um "especialista em informática" para resolver o problema do cartão de crédito de Antônio, porém, Eliel tratase de um criminoso que possuí extensa ficha criminal, com passagens de crimes como latrocínio e homicídios, tendo inclusive um mandado de prisão em aberto. 

Contudo, Eliel se aproximou da vítima supostamente na intenção de aproveitar o momento de fragilidade do idoso, e assim, após conquistar a confiança de Antônio, induziu este a erro, fazendo com que o ofendido entregasse a quantia de R$100.000,00 (cem mil reais) para um falso investimento em Bitcoin.

Ademais, Eliel também induziu a vítima a entregar R$ 90.000,00 (noventa mil reais) após criar uma situação fictícia em que “Cíntia”corria perigo e precisava pagar este valor para salvá-la de traficantes.

Desta maneira, Eliel continua a aproveitar da vítima, extorquindo a vítima para que não contasse à família do mesmo a respeito da relação extraconjugal que teve com “Cíntia”, sendo obrigado a depositar R$300.000,00 (trezentos mil reais) na conta de terceiros." relata o caso

Eliel foi preso em 2018 pela Polícia Civil de São Gonçalo dos Campos, em conjunto com agentes da DRFR - Delegacia de Furtos e Roubos de Feira de Santana, após furar um bloqueio da (PRF) Polícia Rodoviária Federal na BR-101.

Depois de furar o bloqueio a Policia foi atráz de Eliel e, por meio de denúncias,  alegando que ele matinha uma família em cárcere privado naquela localidadeos policiais iniciaram diligência na região e  ao montar o cerco no local indicado, o suspeito percebeu a presença policial e tentou fugir novamente, mas foi alcançado, preso e apresentado ao delegado Luiz Lapa, titular da DT/São Gonçalo.

Ele confessou dentre outras coisas existir um mandado de prisão no estado de Minas Gerais ao seu desfavor. Eliel foi encaminhado para o Complexo de Delegacias do Sobradinho em Feira de Santana, onde se encontra à disposição da Justiça.