Exchange cripto mexicana Bitso assegura licença de DLT de regulador de Gibraltar

A Bitso, exchange de criptomoedas mexicana, será, a partir de agora, regulada pela Comissão de Serviços Financeiros de Gibraltar (GFSC), revelou um anúncio de 19 de julho.

Aparentemente a primeira na América Latina

No que a Bitso afirma ser aparentemente a primeira na América Latina a partir de 1º de agosto, a custódia, saques, depósitos e transações de criptomoedas em sua plataforma serão supervisionadas pela GSFC sob uma estrutura especificamente desenvolvida para regular negócios nas tecnologias de ledger distribuído (DLT).

A Estrutura Regulatória da Tecnologia de Ledger Distribuído do GSFC - finalizada em janeiro de 2018 - se concentra em garantir proteção e segurança robusta ao consumidor, conforme observa a Bitso. Entretanto, a exchange argumenta que a aplicação da estrutura é "transmitida através da aplicação de princípios, em vez de regras rígidas" e, portanto, está apta a acompanhar o ritmo da inovação na esfera da DLT.

A emissão da tão falada licença de DLT da agência para candidaturas bem-sucedidas, como a da Bitso, deu ao regulador do território ultramarino do Reino Unido uma reputação de pró-ativa e com visão de futuro no setor global.

A Bitso revela que a sua escolha de cooperação com a GFSC remonta a uma reunião com a equipe do regulador durante um fórum internacional do FATF. Apesar de sua conformidade com o regime regulatório de cripto de Gibraltar, a exchange diz que continua a trabalhar em estreita colaboração com os reguladores financeiros locais para promover a promulgação da Lei de Fintech no México.

Fronteiras regulatórias da cripto

Em termos de experiência do usuário, a empresa observa que, enquanto usa pesos mexicanos, os clientes continuarão a usar os serviços existentes, como SPEI, financiamento em dinheiro ou a Bitso Transfer ® - e ainda estarão sob a supervisão operacional da Bitso S.A.P.I. de C.V, que é regulamentada pela Lei Fintech do México.

Quando se trata de interações de cripto, todas as atividades serão, a partir de agosto, abrangidas pelo escopo do Marco Regulatório da DLT da GFSC. A empresa se compromete a indicar de forma transparente e manter uma separação rigorosa entre os serviços prestados no México e os fornecidos em Gibraltar.

Como o Cointelegraph informou anteriormente, a Huobi, importante exchange cripto baseada em Cingapura, assegurou uma licença de DLT da GFSC em dezembro do ano passado, semanas após a concessão da Gibraltar Blockchain Exchange (GBX).

Nesta primavera, a Bolsa de Valores de Gibraltar (GSX) regulamentada pelo Espaço Econômico Europeu (EEE) lançou listagens de títulos acionados por blockchain em seu GSX Global Market.

Em fevereiro de 2018, Gibraltar anunciou um projeto de lei pioneiro para ofertas iniciais de moedas (ICOs), atraindo o interesse de toda a indústria.