Impotante banco coreano assina MdE com o Atomics Lab para explorar o gerenciamento de ativos cripto

O KB Kookmin Bank, importante banco comercial da Coreia do Sul, assinou um Memorando de Entendimento (MdE) com o Atomics Lab, empresa de tecnologia blockchain, para explorar em conjunto soluções de gerenciamento e proteção de ativos digitais. A notícia foi divulgada pelo portal de notícias de negócios locais Business Korea em 11 de junho.

O MdE - assinado ontem, 10 de junho, em Seul - estabelece que os dois parceiros se concentrarão no crescimento do mercado de ativos digitais e em novos negócios relacionados à cripto.

De acordo com a Business Korea, a Atomics Labs é uma empresa especializada em desenvolvimento de blockchain para o setor financeiro e vem desenvolvendo tecnologias de proteção de ativos digitais baseadas em blockchain usando criptografia de próxima geração.

As duas empresas continuarão a cooperar no desenvolvimento de serviços de gerenciamento de ativos digitais que aproveitam a tecnologia do Atomics Lab e a infraestrutura de controle interno e as tecnologias de proteção de dados do KB Kookmin Bank, observa a reportagem.

Outra área-chave da cooperação será aparentemente a criação de um ecossistema que uniria os setores blockchain e financeiro.

Como observa o Business Korea, o KB Kookmin determinou seu foco tecnológico central usando a sigla “ABCDE” - de inteligência artificial, blockchain, nuvem, dados e ecossistema (artificial intelligence, blockchain, cloud, data and ecosystem). O banco já fez da promoção da transformação digital uma prioridade desde o ano passado.

Como o Cointelegraph relatou anteriormente, o KB Kookmin Bank foi submetido a escrutínio regulatório no ano passado do Serviço de Supervisão Financeira da Coreia (FSS). Em sua análise conjunta do banco e de sua instituição nacional, o Nonghyup Bank, o FSS criticou a administração de transações de criptomoeda de ambos os bancos em relação a regulamentações contra a lavagem de dinheiro .

Notavelmente, o pedido subsequente de melhoria do FSS se aplicava apenas a contas que haviam sido contratadas com um serviço de verificação de nomes reais e não a contas de uma contraparte cripto (exchange).

O banco já havia passado por inspeções da Comissão de Serviços Financeiros da Coreia como parte de uma série de verificações de conformidade rigorosas em bancos domésticos que atendem a exchanges cripto.