Desenvolvedor do Grin financiado pela Litecoin encara o problema de privacidade do Mimblewimble

Um desenvolvedor da moeda Grin (GRIN), que é funanciada pela Fundação Litecoin, sugeriu uma solução para corrigir o "calcanhar de Aquiles da privacidade do Mimblewimble".

David Burkett, desenvolvedor da moeda Grin, centrada na privacidade do Mimblewimble (MW), iniciou uma discussão sobre atualizações mensais detalhando o progresso no desenvolvimento do Grin e a integração da tecnologia focada na privacidade da MW no Litecoin (LTC). 

O desenvolvedor anunciou a notícia no Twitter em 1º de dezembro:

“Vou postar atualizações de status mensais detalhando o progresso no LTC MW EB (acrônimos YAY). Isso é voltado para os interessados ​​no desenvolvimento do LTC, mas também diz muito sobre as mudanças no Grin++, portanto pode ser interessante para os Grinners também.”

Burkett encara o "calcanhar de Aquiles da privacidade do Mimblewimble"

Em termos do progresso do Grin, o desenvolvedor supostamente rodou o primeiro MW CoinJoin de pré-transmissão que supostamente tornaria as transações mais privadas ao desativar a transmissão antes que elas se juntassem às de outras pessoas no bloco CoinJoin.

Burkett observou que esse problema é um dos problemas mais críticos associados à privacidade do MW. Ele escreveu:

"No entanto, o calcanhar de Aquiles da privacidade imbatível é sempre que as transações são transmitidas antes que elas tenham a chance de se juntar a outras transações. Isso significa que os nodes que monitoram a rede podem ver os links originais da entrada para a saída da maioria das transações. Enviar uma transação diretamente para um servidor CoinJoin antes da transmissão é uma das muitas técnicas diferentes que podemos usar para combater isso.”

Alguns pesquisadores afirmam que não há como corrigir a privacidade do Mimblewimble

A implementação segue um relatório recente alegando que a privacidade do MW é "fundamentalmente falha", pois um desenvolvedor conseguiu rastrear 96% das transações do Grin antes de chegar ao CoinJoin, um bloco que recolhe todas as transações do MW para garantir seu anonimato.

Publicado por Ivan Bogatyy, da empresa de pesquisa de blockchain Dragonfly Research, o relatório afirma que não há maneira de corrigir esse problema para o MW e o protocolo não deve mais ser considerado como "uma alternativa viável ao Zcash ou Monero quando se trata de privacidade".

A Fundação Litecoin está financiando os esforços de Burkett para integrar a privacidade do Grin

Juntamente com os desdobramentos do Grin, o desenvolvedor confirmou que a Fundação Litecoin financiará seus esforços para implementar o bloco de extensão do MW, além de continuar seu trabalho com o Grin. Charlie Lee, o criador do Litecoin, anunciou a iniciativa em 30 de outubro.

Burkett também observou que ele trabalha junto com Lee e com o pesquisador Bitcoin Andrew Yang (não o pré-candidato presidencial dos EUA) há vários meses para projetar um bloco de extensão do Mimblewimble para permitir transações confidenciais no Litecoin.

Como tal, os autores publicaram duas propostas preliminares de melhoria de Litecoin usando o protocolo MW em 22 de outubro.

Em meados de novembro, o Grin recebeu uma doação anônima de 50 Bitcoin (BTC) em seu Fundo Geral, provocando um boato de que a doação estava relacionada ao criador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto.