Grin recebe doação anônima de 50 BTC, levando a boatos de que vieram de Satoshi

A moeda centrada na privacidade Grin recebeu uma doação anônima de 50 Bitcoin (BTC) a seu Fundo Geral em 11 de novembro, provocando um boato bizarro de que a alma generosa por trás dela seria Satoshi Nakamoto.

A doação, anunciada no mesmo dia pelo Grin no Twitter, foi feita através da exchange cripto Coinbase por um doador que desejava expressamente permanecer anônimo, de acordo com uma postagem no fórum de 11 de novembro de Daniel Lehnberg, desenvolvedor do Grin.

"Trabalhe livremente", sem dependência

Lehnberg revelou que ele interagiu brevemente com o doador. Apesar de manter seu desejado anonimato, ele compartilhou algumas das observações editadas dos doadores, incluindo declarações como:

“Nossos motivos não são econômicos! É sobre a tecnologia e o protocolo. Por favor, use-o para o desenvolvimento do GRIN. Você continua trabalhando como no passado [...] É o que estamos honrando agora com essas doações para que você possa trabalhar livremente [...] sem dependências econômicas.”

Considerar a natureza da doação como incomum não é suficiente, com alguns meios de comunicação de criptomoedas respondendo com a confecção de uma teoria de que Satoshi Nakomoto - o(s) misterioso(s) inventor(es) do Bitcoin - estava(m) por trás da doação.

Aparentemente a teoria foi alimentada por uma mensagem no grupo do Telegram do fundador da Litecoin (LTC), Charlie Lee, revelando que as moedas doadas foram mineradas em 2010 e transferidas de uma carteira que ficou inativa por quase 9 anos.

Desde então, Lee confirmou que a mensagem era "apenas uma brincadeira".

Inovações de privacidade

Como relatado anteriormente, o Grin é uma moeda de privacidade que implementa o protocolo Mimblewimble, focado na escalabilidade e na privacidade - em homenagem a uma maldição fictícia que amarrava a língua das pessoas nos populares livros de Harry Potter.

O Mimblewimble é, em parte, uma variante do protocolo criptográfico conhecido como Confidential Transactions, que permite que as transações sejam ofuscadas e ainda verificáveis, a fim de alcançar maior privacidade e impedir o gasto dupla.

Neste verão, o Grin passou por um hard fork - o primeiro da rede desde seu lançamento em meados de janeiro deste ano - para introduzir ajustes em seu algoritmo de consenso, a fim de obter maior resistência aos mineradores ASIC.

Em outubro, a Litecoin Foundation publicou duas novas propostas de aprimoramento projetadas para trabalhar no estabelecimento de recursos de privacidade da rede, integrando o Mimblewimble.