Japão despeja 6

O regulador financeiro do Japão, a Agência de Serviços FInanceiros (ASF), enviou ordens de melhoria de negócios para seis grandes casas de câmbio de criptomoedas, reporta a Cointelegraph Japan em 22 de junho.

De acordo com os comunicados de imprensa listados em seu site, a ASF exigiu uma revisão da gestão de risco - centrada nos requisitos antilavagem de dinheiro (AML) e conheça seu cliente (KYC) - da bitFlyer, Quoine, BTC Box, Bit Bank, Tech Bureau. e Bit Point.

Como relata a Cointelegraph Japan, a bitFlyer, atualmente a 23ª maior casa de câmbio do mundo em volume de negócios, já iniciou medidas corretivas em resposta a seu pedido, suspendendo novos registros de conta e revisando a documentação de identificação do usuário.

A ASF concluiu que, no caso da bitflyer, “não foi estabelecido um sistema eficaz de gerenciamento para garantir a operação adequada e confiável dos negócios, além de contramedidas contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo”.

Respondendo às descobertas, a casa de câmbio foi visivelmente apologética para com os usuários, dizendo que implementaria a ordem de onze pontos, o que também exige que apresente um relatório de progresso até 23 de julho.

"Pedimos desculpas a todos os interessados e aos clientes que sofreram uma grande preocupação e inconveniência devido a esta ordem de melhoria de negócios", afirmaram os fincionários.

A última rodada de “penalidades administrativas” para as casas de câmbios japonesas continua com uma política da ASF, que começou após o enorme hack de US $ 530 milhões da Coincheck em janeiro.

Neste interim, vários outros operadores receberam multas ou fecharam completamente, como Bit Station e FSHO no início de maço.

A própria Coincheck recebeu rigorosas medidas de supervisão antes de ser vendida ao corretor on-line Monex pela quantia nominal de US $ 33 milhões em abril.