O Bitcoin está mesmo sendo vendido a US$ 76.000 no Zimbábue?

Os traders de Bitcoin de ZimbábeeÁfrica do Sul estão sofrendo com um aumento vertiginoso nos ágios em seu Bitcoin (BTC), de acordo com uma reportagem da agência de notícias financeiras Fxstreet em 2 de julho.

Em meio a novos controles de capital na África do Sul e à recente proibição do Zimbábue de negociar localmente em moedas estrangeiras, os comerciantes locais estariam sofrendo com preços que chegariam a US$ 50.000 por 1 BTC se tentassem comprar a moeda do exterior.

No momento desta publicação, o Bitcoin está sendo negociado acima de US$ 10.915 na exchange cripto sul-africana Luno, segundo dados do CoinMarketCap - 10,5% acima de seu preço no índice de preços Bitcoin do Cointelegraph.

Enquanto isso, outros comentaristas de redes sociais afirmaram nesta semana que o Bitcoin está sendo negociado a até US$ 76.000 no Zimbábue - um ágio de mais de 600%. Como parece ser corroborado pela imagens do site P2P LocalBitcoins.com compartilhadas no Twitter, pelo menos uma dispersão de traders tentou obter ganhos colossais a uma taxa de pedidos de US$ 75-76.000:

 

Screenshot showing purported BTC asking prices on  LocalBitcoins.com for Zimbabwe-based traders

Captura de tela mostrando suposto pedido de preços em BTC no LocalBitcoins.com para os comerciantes do Zimbábue. Fonte: @Btcexpertindia, em 1 de julho

Comentando as alegações, Tuur Demeester - sócio fundador da Adamant Capital - argumentou, no entanto, que:

“Provavelmente é a inflação que simplesmente não é reconhecida pelo governo. Eu sou cético em relação a esse número como refletindo um ágio genuíno.”

O Zimbábue - que está novamente enfrentando a falência da moeda fiduciária nacional, com uma taxa de inflação próxima a 100% em junho - viu um esforço do setor financeiro para estabelecer mais clareza regulatória para as tecnologias blockchain.

Desde 2017, o país tem, entretanto, aplicado uma política de criminalização geral do Bitcoin.

Em outros lugares, a FXStreet observa o impacto de pressões geopolíticas e econômicas similares sobre os operadores de Bitcoin, com a TideBit, também de Hong Kong, tendo um ágio pelo Bitcoin - embora menos acentuado - como pano de fundo dos recentes protestos nacionais contra o projeto de lei de extradição.

O Cointelegraph também informou na semana passada sobre o reaparecimento do notório “ágio do Kimchi” - com uma demanda febril pela moeda na Coreia do Sul, levando os preços bem acima da média global - no atual mercado de alta.