Índia: Ex-legislador em caso de extorsão por Bitcoin declarado como infrator declarado

Um tribunal indiano declarou o ex-membro da Assembleia Legislativa (MLA) Nalin Kotadiya como infrator em conexão com um caso de extorsão por Bitcoin (BTC) no valor de US $ 1,3 milhão, reportou o Business Standard em 18 de junho.

O juiz PG Tamakuwala declarou Kotadiya como infrator ou “evadido”, segundo a Seção 82 do Código de Processo Penal, com referência a um pedido apresentado pelo Departamento de Investigação Criminal (CID). Kotadiya "permaneceu irrastreável", mesmo depois de um mandado de prisão ter sido emitido. O CID iniciou novamente o processo, pedindo que o tribunal o declarasse um proclamado infrator.

Na Índia, um processo de proclamado infrator é um procedimento jurídico pelo qual o tribunal anuncia o indivíduo como infrator e obriga a polícia a deter o indivíduo nomeado no procedimento. O passaporte do malfeitor também é confiscado para que ele não fuja do país. A decisão ordenou que Kotadiya compareça perante o tribunal no prazo de 30 dias.

Mais cedo, a parte queixante do caso, o empresário indiano Sailesh Bhatt, alegou que em fevereiro, policiais sequestraram a ele e seu parceiro de negócios Kirit Paladia, os mantiveram confinado em uma fazenda e extorquiram cerca de US $ 1,3 milhão de propriedade de Paladia. Bhatt também disse que Nalin Kotadiya estava envolvido e que ele o pressionou para pagar o resgate. Os policiais foram posteriormente presos em conexão com o caso.

Kotadiya é um ex-MLA do BJP governante de Dhari, no distrito de Amreli. Ele também é líder da casta Patidar.

No início deste mês, a empresa de segurança cibernética Carbon Black publicou um relatório afirmando que cerca de US $ 1,1 bilhão em criptomoeda foi roubado no primeiro semestre de 2018. As estimativas mostram que há 12.000 mercados e 34.000 ofertas associadas ao roubo de cripto que os hackers podem aproveitar.

Falando na conferência Money20/20 Europe em 4 de junho, a ex-promotora federal dos EUA Mary Beth Buchanan disse que "muito mais" crimes foram cometidos com moedas fiduciárias do que com cripto. Buchanan também enfatizou que agora existem muitas ferramentas “disponíveis comercialmente” que a polícia pode usa para traçar como a moeda se movimentou em um blockchain.