Fluxo de ICOs continua à medida que regulamentações se assentam ao redor do mundo: Expert Blog

Expert Blog é a nova série de artigos da Cointelegraph dos líderes da indústria de criptomoeda. Ela abrange tudo, desde a tecnologia Blockchain e criptomoedas até a regulamentação ICO e análise de investimentos de líderes da indústria. Se você quer se tornar nosso autor convidado e ser publicado na Cointelegraph, envie-nos um e-mail para mike@cointelegraph.com.
 

A Oferta Inicial de Moedas (ICO) é uma nova forma de captação de recursos habilitada pelas moedas digitais e a tecnologia Blockchain, na qual os participantes investem moedas fiduciárias e recebem ''tokens'', ativos digitais em troca.

As ICOs são amplamente vistas como uma alternativa inovadora de fintech à oferta pública inicial de ações (IPO) como um meio para as empresas startup levantarem capital. Uma pessoa, projeto ou empresa que precise de capital cria um novo tipo de moeda digital e vende uma parcela delas por moedas fiduciárias em uma plataforma de negociação digital ou casa de câmbio.

Antes de uma ICO, uma empresa normalmente lançaria um "livro branco" que fornece aos investidores uma explicação do projeto proposto, os direitos por trás dos tokens virtuais que eles estariam emitindo, os riscos do investimento e os detalhes da própria ICO.

Os direitos por trás dos tokens digitais podem variar consideravelmente, e muitos tokens não se destinam a conceder ao investidor uma participação de propriedade no negócio, ao contrário das ações.

Atualmente, não há uma maneira padronizada de preparar um livro branco em comparação com prospectos regulamentados para IPOs.

Avaliação simbólica da ICO

Com a exceção dos gestores de fundos de cobertura que avaliam indiscriminadamente os tokens de ICO para suas perspectivas de vendas longas e curtas, a motivação subjacente de um investidor de ICO é a expectativa de que o valor do token aumente após a ICO e o investidor o venderia para ganhar lucro.

O valor de um token é determinado com base em (1) a demanda do token que pode ser denominado em uma moeda virtual altamente volátil (2) o desempenho financeiro da empresa subjacente. Atualmente, não há uma maneira padronizada de determinar o valor de um token. Os investidores de ICO negociam esses tokens em lucros ou prejuízos.

Tecnologia das ICOs

A plataforma Ethereum (ETH) ICO é pública e de código aberto e possui funcionalidade de contrato inteligente. Ainda está em seus estágios iniciais de desenvolvimento, e sua aplicação é de natureza experimental.

Vitalik Buterin, cofundador do ETH, advertiu que existem falhas, complexidades técnicas das redes ETH Blockchain que suportam ICOs decorrentes do problema de centralização, que podem levar de dois a cinco anos para serem resolvidos. Buterin espera que 90% das ICOs baseadas em ETH deem errado.

Apesar das medidas de segurança da rede de informação (TI), aplicações de software, hardware, internet, plataformas Blockchain que suportam as ICOs, também são vulneráveis a vírus informáticos, invasões físicas ou eletrônicas, ataques ou outras disrupções de natureza similar (Hacks) .

A revelação das vulnerabilidades técnicas da plataforma baseada em ETH e o risco de hacks podem adicionar riscos operacionais e tecnológicos para as ICO.

Fraude de ICO

Este ano foi o ano das ICOs para países como Rússia, China e Japão. Até o momento, as ICOs arrecadaram US $ 3 bilhões, com uma média de 20 novas ofertas de moeda virtual por mês, que produziram um retorno médio de investimento de 1.320%, 293 vezes o retorno do S&P 500 de 4,5 por cento durante o terceiro trimestre de 2017.

Houve muitos novos usos para ICOs, incluindo aplicativos de financiamento de municípios no Japão. Mas Joseph Lubin, cofundador do ETH, advertiu que algumas das ICOs eram apenas simples e velhos golpes.

Nos Estados Unidos, o Departamento de Justiça (DOJ) e o Federal Bureau of Investigations (FBI) começaram a reprimir as transações de moeda virtual fraudulentas depois que o FBI emitiu um primeiro relatório, analisando a probabilidade e as consequências de atividades ilegais envolvendo moedas virtuais em abril de 2012. Menos de um ano depois, em março de 2013, a Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) promulgou requisitos de registro para empresas de serviços monetários (MSB) negociando em moedas virtuais antes da primeira ICO lançada em julho do mesmo ano.

Regulamentação de ICO

Com os conhecidos riscos relacionados às ICOs em mente, regulamentadores globais, legisladores e banqueiros centrais estão trabalhando na elaboração de medidas regulatórias efetivas para mitigar as preocupações com a segurança, proteção ao consumidor e crime financeiro.

O primeiro país a regular as ICOs foram os EUA através da Comissão de Títulos e Câmbio (SEC), que em 25 de julho de 2017 emitiu uma opinião histórica sobre ativos digitais, afirmando que as ICOs podem, por vezes, ser consideradas como títulos — e como tal, estão sujeitas a leis e regulamentações rígidas.

Colocando a nova lei da SEC em uso: (1) a SEC apresentou acusações contra duas empresas e seu operador por fraudar investidores em um par de ICOs fraudulentas e (2) detentores de token de ICO serviram a Tezos com dois processos de ação coletiva potencialmente inovadores alegando que a ICO de $ 232 milhões violou as leis americanas de títulos e os investidores enganados.

Desde o pronunciamento sobre ICO da SEC, vinte e oito países propuseram ou promulgaram legislação sobre ICO de forma descoordenada. Alguns países imitaram a SEC na regulamentação das ICO como título. Outros países como a China baniram abruptamente as ICOs e fecharam todas as casas de câmbio virtuais.

Outras leis dos EUA aplicáveis à ICOs além das leis da SEC

Com a promulgação dos regulamentos da ICO, os investidores institucionais ficaram cada vez mais interessados em investir nelas. Aqui estão outras leis dos EUA que eles devem se levadas em consideração além das leis da SEC ao avaliar uma ICO para um investimento.

  • CFTC sobre tokens de ICO: A Commodity Futures Trading Commission (CFTC) regula moedas/tokens virtuais como commodities. Um comissário explicou: "as criptomoedas oferecidas em uma pré-venda podem se transformar. Elas podem começar sua vida como um título regulado pela SEC a partir de uma perspectiva de arrecadação de capital, mas, em algum momento - possivelmente rápidamente ou mesmo imediatamente - se transformar em uma commodity". Isso é como muitos entendem o acordo simples para futuros de tokens (SAFT) porque nenhuma regra de linha brilhante determina quais tipos de tokens são títulos e quais não são. Em vez disso, o que se qualifica como título só pode ser determinado por uma análise baseada em fatos e circunstâncias de tokens particulares.
  • FinCEN sobre Negócios Estrangeiros de Moeda Virtual: de acordo com um porta-voz da FinCEN, "um negócio estrangeiro de moeda virtual pode ter que se registrar na FinCEN dependendo de vários fatores. Se a empresa estrangeira de moeda virtual estiver registrada, e funcionalmente regulamentada ou examinada pela SEC, a CFTC ou se estiver envolvida em atividades que, se conduzidas nos EUA, exigiriam que ela se registre na SEC ou CFTC, não teria que se registrar como uma MSB junto à FinCEN. Se não satisfizer esta condição, a resposta depende de como ela opera, em nome de quem e onde sua base de clientes está localizada com base em uma análise baseada em fatos e circunstâncias".
  • IRS sobre empresas estrangeiras de moeda virtual: um negócio estrangeiro de moeda virtual pode estar sujeito às leis tributárias dos EUA, porque as moedas virtuais são caracterizadas como propriedade de acordo com o Aviso 2014-21, cujos ganhos estão sujeitos aos requisitos federais de tributação e relatórios tributários nos Relatórios de Informação e Backup de Retenção, Lei de Conformidade do Imposto sobre Conta Externa (FATCA) e Relatórios País a País (CbCR). O IRS pode reivindicar a jurisdição sobre um negócio de moeda virtual estrangeira que não possua presença física nos EUA, desde que eles façam negócios substanciais nos EUA com base em uma análise baseada em fatos e circunstâncias. De acordo com o novo chefe da divisão de investigação criminal do IRS, "em 2018: (1) a Unidade de Investigações Coordenadas a nível nacional e (2) o Grupo Internacional de Fiscalização Fiscal estarão cada vez mais focados no uso transfronteirço de moedas virtuais".

Conclusão

À medida que os regulamentos enquadram as ICOs ao redor do mundo, ela abre as portas para que os investidores institucionais participem nas ICOs das empresas que podem ter uma pegada global do ponto de vista da estrutura comercial, tecnológica e jurídica. Isso requer uma avaliação sofisticada de todos os riscos relacionados à ICO em todas as jurisdições que a empresa opera. "As empresas ICO, seus executivos e investidores institucionais devem levar em consideração cuidadosamente a paisagem reguladora em constante mudança em todo o mundo e implementar um bom programa de conformidade. Uma empresa ICO precisa cumprir os regulamentos de vários países, incluindo regulamentos de lavagem de dinheiro e leis antissuborno, minimizando o risco", aconselhou John Kearney do MyComplianceOffice.

Aviso Legal: Este artigo é adaptado com autorização do Memorando de Gerenciamento Fiscal, 58 TM Memorandum 418, de 16/10/17. Copyright 2017 para o The Bureau of National Affairs, Inc. (800-372-1033) http://www.bna.com.


Selva Ozelli, Esq., CPA é um advogado internacional de impostos e CPA que frequentemente escreve sobre questões fiscais, legais e contábeis para TaxNotes, Bloomberg BNA, outras publicações e a OCDE.


Siga-nos no Facebook