Islândia: suspeito de roubar $2 mi em Bitcoin tem planos de voltar para casa depois de fugir para a Suécia

O homem islandês que supostamente roubou hardware de mineração Bitcoin no valor de US$2 milhões prometeu voltar para casa em um comunicado divulgado pela mídia local Fréttablaðið 20 de abril.

Conforme relatado em 18 de abril, Sindri Þór Stefánsson escapou da prisão de Sogni e fugiu da Islândia para Estocolmo, na Suécia. Ele supostamente usou o passaporte de outro homem quando embarcou em um voo no Aeroporto Internacional de Keflavik.

No comunicado de 20 de abril, Stefánsson disse que ele estava “legalmente autorizado” a viajar no dia em que embarcou no avião para Estocolmo.

Tendo sido mantido sob custódia da polícia desde a sua detenção em fevereiro, Stefánsson disse que estava dentro do seu direito de viajar enquanto a decisão de custódia expirava em 16 de abril e um juiz precisou de 24 horas para renová-la.

Segundo o comunicado, o fugitivo estava “sob a ameaça de que a polícia o prendesse se eu deixasse a prisão sem qualquer explicação”.

“Eu fui forçado a assinar um documento declarando que eu estava viajando livremente, mas se pudesse, ficaria em uma sala de prisão até que a extensão da custódia fosse aprovada”, afirma ele.

O assalto de Stefánsson foi chamado pela mídia local de "um dos maiores casos criminais da história islandesa".

Apesar de aparentemente receberem os meios para continuar vivendo no exterior, apesar de um mandado de prisão internacional se aproximar dele, Stefánsson disse que "prefere" voltar para a Islândia e que "estaria lá em breve".

Ele disse aos repórteres que desafiaria sua custódia de dois meses e meio no Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

Como o Cointelegraph relatou anteriormente, o suposto crime envolveu vários dispositivos sendo saqueados de centros de dados gigantes da Islândia envolvidos em operações de mineração com criptomoedas entre dezembro de 2017 e janeiro de 2018.