IBM faz parceria com Boehringer Ingelheim para testar blockchain na manutenção de registros clínicos

A unidade canadense da gigante americana de tecnologia IBM fez uma parceria com a farmacêutica Boehringer Ingelheim para implantar a blockchain na manutenção de registros clínicos, de acordo com um comunicado de imprensa publicado em 12 de fevereiro.

A cooperação entre as duas empresas tem como objetivo testar se a integração da tecnologia blockchain para o registro clínico fornece o nível adequado de integridade de dados, transparência e segurança do paciente, além de reduzir custos e automatizar processos.

O Dr. Uli Broedl, vice-presidente de Assuntos Médicos e Regulamentares da Boehringer Ingelheim (Canadá) disse: “O ecossistema de ensaios clínicos é altamente complexo, pois envolve diferentes partes interessadas, resultando em confiança limitada, transparência e ineficiência de processos sem o verdadeiro empoderamento do paciente”. Com a colaboração, a IBM proverá tecnologias blockchain para garantir confiança e transparência em todo o processo de teste.

A IBM participou de vários projetos relacionados à assistência médica. Em janeiro, a empresa de tecnologia fez uma parceria com a gigante norte-americana de seguros Aetna para criar uma rede blockchain adaptada ao setor de saúde. Com previsão de atendendimento de mais de 39 milhões de clientes em todo o mundo, o sistema blockchain será projetado para agilizar o processamento e os pagamentos de sinistros de seguro, além de gerenciar os diretórios.

Fundada em 1885, a Boehringer Ingelheim é uma empresa farmacêutica global voltada à pesquisa que também se concentra no desenvolvimento de terapias. Em 2017, a receita líquida da empresa foi de aproximadamente 18 bilhões de euros (US$ 20,4 bilhões). A sede canadense da Boehringer Ingelheim foi fundada em 1972 em Montreal, Quebec.

Ontem a empresa de tecnologia blockchain Bitfury anunciou uma parceria com o mercado de blockchain de radiologia Medical Diagnostic Web (MDW) para criar uma plataforma baseada em blockchain para manter, compartilhar e proteger informações médicas de diagnóstico e imagem, como raios-X e tomografia computadorizada.

No início de fevereiro, um consórcio médico de P&D, a Pistoia Alliance, expandiu seu projeto blockchain para incluir o compartilhamento, identidade e integridade de dados. O projeto se concentrará no uso da blockchain para validar fontes na identificação de dados e melhorar o compartilhamento entre organizações.