Grupo de pesquisas na área médica expande projeto blockchain para incluir compartilhamento de dados

A Pistoia Alliance expandiu seu projeto blockchain para incluir compartilhamento de dados, identidade de dados e integridade de dados, de acordo com um comunicado de imprensa publicado em 8 de fevereiro.

A Pistoia Alliance é uma organização sem fins lucrativos criada em 2007, com representantes de renomadas empresas da indústria farmacêutica, incluindo Pfizer, Novartiz e GSK. A Pistoia Alliance foi formada para ajudar a integrar novas tecnologias para auxiliar nos respectivos campos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) das empresas.

O projeto mais recente se concentrará no uso do blockchain para validar as fontes na identificação de dados, garantir a integridade dos dados e melhorar o compartilhamento entre as organizações.

Antes de sua incursão no gerenciamento de dados baseado em blockchain, Pistoia se concentrou em educar o indústria médica sobre a tecnologia emergente. De acordo com Pistoia, uma pesquisa recente descobriu que o acesso a pessoal qualificado e a compreensão da tecnologia são as principais barreiras para a adoção do blockchain. Essa mesma pesquisa afirmou que um quinto dos entrevistados não acham que blockchain agrega valor além de um banco de dados padrão.

"Grande parte da indústria ainda está no estágio de 'discussão' do blockchain, queremos ir além disso e tomar medidas que apoiem ativamente os membros e levem a resultados tangíveis que beneficiarão a P&D, acelerarão a inovação e apoiarão a descoberta de novos tratamentos" de acordo com o presidente da Pistoia Alliance, Steve Arlington.

A tecnologia de ledger distribuído (DLT) tem sido implementado em todo o setor de saúde para tornar os dados médicos mais compartilháveis ​​e mais seguros. Em novembro de 2018, o Hospital Myongji, localizado na cidade de Goyang, Coreia do Sulassinou um Memorando de Entendimento (MoU) com empresa de TI coreana BICube .

Pelos termos do MoU, as duas partes usariam o DLT para criar um sistema de troca de informações de saúde e “construir uma nuvem híbrida [plataforma] que combina uma nuvem pública e uma nuvem privada”.

Nesse mesmo mês, o  governo austríaco ofereceu apoio financeiro para a Lancor Scientific, empresa britânica de pesquisa de câncer, que usa a tecnologia blockchain para detectar a doença. A Lancor Scientific desenvolveu um dispositivo para detectar vários tipos de câncer e registra os resultados da triagem com contratos inteligentes em um blockchain.