Representantes da Câmara questionam o Diretor da FinCEN sobre o potencial uso ilegal do Libra

O Diretor da Rede de Execução de Crimes Financeiros (FinCEN), Kenneth Blanco, informou a vários membros da Câmara dos Estados Unidos sobre o uso potencial que o Libra pode ter para cometer crimes como lavagem de dinheiro, financiamento ilícito e outras atividades ilegais, de acordo com um comunicado do Representante Emanuel Cleaver II. .

Liderando a reunião estavam os representantes Cleaver, Trey Hollingsworth, Bill Foster e French Hill, todos membros do Comitê de Serviços Financeiros.O Rep. Cleaver, presidente do Subcomitê de Segurança Nacional, Desenvolvimento Internacional e Política Monetária, disse em sua declaração: 

“Com a evolução das moedas virtuais e dos novos mercados, os atores nefastos estão continuamente se adaptando para encontrar novas maneiras de se envolver em atividades financeiras ilegais. [...] Agora que estamos vendo uma corporação gigante como o Facebook - que já mostrou uma incapacidade de identificar e impedir esses tipos de atores em um nível aceitável - criando sua própria criptomoeda chamada Libra, isso não pode ser subestimado pelo Congresso e pelos transmissores financeiros que tem que ser proativos ao utilizar as mais novas e mais poderosas tecnologias para garantir que o sistema financeiro não esteja sendo usado de forma inadequada ”.

Blanco descreveu a pesquisa atual sobre inteligência artificial e aprendizagem de máquina e seu uso na regulação de criptomoedas.

O questionamento do deputado Cleaver foi amplamente inflamado pela preocupação com o papel do Facebook nas eleições presidenciais de 2016, bem como o alegado uso de criptomoedas por agentes russos para financiar a interferência eleitoral . Cleaver continuou: 

"Vimos o dano significativo causado por adversários estrangeiros e maus atores em nossa democracia por meio da plataforma do Facebook, e isso foi simplesmente por meio de mensagens e publicidade".  

O comunicado acontece poucos dias depois do Comitê de Serviços Financeiros agendar uma audiência com o Facebook em 17 de julho, que por sua vez seguiu o pedido da presidente da Comissão, Maxine Waters, de uma moratória sobre o desenvolvimento do Libra em 18 de junho, conforme relatado pela Cointelegraph na época.