Hong Kong intensifica pesquisa sobre moeda digital de banco central

A Autoridade Monetária de Hong Kong (HKMA, na sigla em inglês) revelou que está realizando pesquisas para as aplicações de uma moeda digital de banco central (CBDC).

A Ejinsight deu a notícia - anunciada durante a Semana Fintech de Hong Kong - em 7 de novembro. A HKMA pretende divulgar um grande relatório sobre suas conclusões no primeiro trimestre de 2020.

Colaboração com o Banco Popular da China

A HKMA também acabou de revelar que assinou uma colaboração blockchain com uma subsidiária do Instituto de Moeda Digital do Banco Popular da China (PBoC) - uma instituição que muitos esperam que seja a primeira a lançar globalmente uma CBDC.

Durante o recente fórum de fintech, Edmond Lau - diretor executivo sênior da HKMA - apresentou informações sobre a pesquisa em andamento de CDBC, que supostamente foi conduzida sob a égide do "Project LionRock" desde 2017.

O projeto está sendo conduzido em conjunto com a Hong Kong Interbank Clearing Ltd. e mais três bancos, além do consórcio blockchain R3.

Ele inclui um estudo de prova de conceito sobre a CBDC baseada em token, pesquisa sobre emissão de títulos de dívida usando blockchain, uma avaliação do potencial da CBDC para sistemas de pagamento e exploração de um possível modelo de emissão em dois níveis, que permitiria às empresas manter e usar os tokens de CBDC como participantes patrocinados de seus bancos.

A HKMA continua focada no uso prospectivo de uma CBDC para instituições financeiras em vez de clientes de varejo - com um interesse particular em pagamentos interbancários domésticos, pagamentos corporativos por atacado e seu potencial de entrega versus pagamento na liquidação de títulos de dívida.

Os usuários do varejo já têm amplo acesso aos serviços de pagamentos móveis digitais, segundo Lau.

Em maio, a HKMA também assinou um memorando de entendimento com o Banco da Tailândia para conduzir um projeto de pesquisa conjunto sobre o uso de uma CBDC para pagamentos transfronteiriços e serviços de pagamento interbancários contra pagamento entre os países.

Pensando e escolhendo

Como foi relatado, Joe Lubin, cofundador da Ethereum (ETH) e CEO da ConsenSys, expressou sua crença de que é improvável que o Banco Popular da China implemente os aspectos descentralizados da blockchain para sua vindoura CBDC.

Ele argumentou que o ativo provavelmente será usado para manter a supervisão existente dos fluxos de capital das autoridades e que, se houver, o PBoC fará uso de "algumas das premissas criptográficas da blockchain".

O vice-diretor do PBoC, Mu Changchun, revelou em agosto que a CBDC será estruturada como um sistema centralizado de dois níveis, com o PBoC no nível superior e osegundo nível sendo controlado pelos bancos comerciais domésticos.

O Banco da Tailândia - junto com a R3 e o líder global de TI Wipro Limited - finalizou um protótipo de solução blockchain para acordos interbancários por atacado baseados em CBDC nesta primavera.