China assina acordo com o Banco Central de Hong Kong para acelerar o uso da blockchain

A blockchain recebeu novo endosso da China, dessa vez na forma de um pacto de desenvolvimento com o banco central de fato de Hong Kong.

Em um post de notícias em 6 de novembro, a Autoridade Monetária de Hong Kong (HKMA) confirmou que assinou um Memorando de Entendimento (MdE) com uma subsidiária do Banco Popular da China (PBoC).

Bancos centrais querem "financiamento comercial mais conveniente"

O acordo visa criar uma Prova de Conceito para uma plataforma de trade finance a partir o primeiro trimestre de 2020, vinculando dois projetos existentes: o eTradeConnect da HKMA e a Plataforma de Trade Finance do PBoC.

Os dois bancos centrais serão representados pelas subsidiárias da Hong Kong Interbank Clearing Limited e pelo Institute of Digital Currency do PBoC.

"Uma vez que a conexão tenha sido estabelecida com sucesso, ela dará às empresas em ambos os locais serviços de financiamento comercial mais convenientes e permitirá que os bancos em Hong Kong acelerem a expansão de seus negócios de financiamento comercial", acrescenta o post.

Fundos blockchain da China se aproximam de US$ 6 bilhões

A notícia segue o repentino endosso da tecnologia blockchain por parte de Pequim, com o presidente Xi Jinping apelando pessoalmente para que seu uso se expanda na economia doméstica.

Como resposta direta aos eventos, os governos regionais chineses e outras entidades prometeram fundos de blockchain no valor de US$ 5,7 bilhões para apoio adicional, informou a mídia local China Money Network na quarta-feira.

Entre eles está um fundo de 100 milhões de yuans (US$ 14,3 milhões) do 1911 Group, escreveu a publicação citando outro canal, o PE Daily.

"Para elevar o desenvolvimento de fintech de Hong Kong a um novo patamar, precisamos adotar uma abordagem holística da 'HK Inc.'", comentou o executivo-chefe da HKMA, Eddie Yue, como parte da assinatura do MdE.