Governos usando criptos como razão para nos espionar

Desde a sua criação em 2009, o Bitcoin foi pioneiro no caminho da criptomoeda e cresceu em plena consciência em 2017. A tecnologia Blockchain promete a libertação do banco centralizado, mas sua natureza anônima também o coloca na mira do governo e das agências de segurança.

Um excelente exemplo é a agora extinta Silk Road, que era um mercado on-line que permitia aos usuários comprar e vender tudo, desde drogas e armas até informações, por Bitcoin.

Obviamente, comprar e vender bens ilegítimos irá aterrissá-lo em um mundo de problemas se você for pego. Este é realmente o lado escuro do mundo da criptomoeda, que permite aos traficantes de drogas e ao comércio ilegal de armas uma maneira anônima e intratável de fazer negócios.

O FBI fechou a Silk Road e prendeu seu fundador Ross Ulbricht, terminando a corrida do maior jogador na história comercial da dark web. Ironicamente, um dos agentes investigadores foi considerado culpado de roubar Bitcoin da Silk Road enquanto estava investigando a plataforma on-line.

Criptomoeda não é necessariamente igual a anonimato

Embora seja compreensível que as transações anônimas permitam que pessoas nefastas façam seus negócios sujos, até mesmo a União Europeia acredita que as criptomoedas não são favoráveis ao terrorismo.

Em um relatório divulgado no início deste ano, uma comissão europeia declarou que os grupos terroristas precisam de moedas fiat para operar. A complexidade intrínseca das transações Blockchain é um fator; assim como o livro-razão publicamente disponível. Toda transação feita com o Bitcoin é gravada no livro-razão para todos verem - o que dá às autoridades uma idéia de quem está enviando para quem o quê.

É muito mais fácil enviar dinheiro frio e duro em um envelope do que através da moeda digital, que é inevitavelmente rastreável de alguma maneira ou forma.

Usando o terrorismo para forçar regulação

O terrorismo tem sido uma ameaça para a sociedade civilizada há décadas e os governos fizeram todo o possível para eliminar as ameaças mais importantes.

Não há dúvida de que os grupos terroristas representam um perigo para a sociedade, mas a verdade é que a ameaça do terrorismo também foi usada como desculpa para espionar a população em geral e invadir países estrangeiros.

Após os ataques do 11 de setembro no World Trade Center, em Nova Iorque, em 2001, a América rejeitou a Lei Marshall e, finalmente, invadiu o Afeganistão para enfrentar o Talibã.

Desde então, os EUA cresceram em um estado de segurança maciço - e era apenas uma questão de tempo até que os membros da Agência Nacional de Segurança fossem pegos espionando o povo americano.

Este exemplo é uma das instâncias mais recentes e bem conhecidas de um governo que espia ativamente seus próprios cidadãos, usando a ameaça do terrorismo para infringir a privacidade e os direitos de seus povos.

Evasão fiscal e fraude

Esta é provavelmente a maior preocupação para os governos e seus respectivos serviços de receita. Estão sendo feitos grandes esforços para acompanhar os usuários de criptomoeda que não conseguiram declarar seus ganhos.

A casa de câmbio americana Coinbase foi intimada a entregar os detalhes de seus maiores detalhes comerciais de usuários, já que o homem dos impostos dos EUA procura restringir a evasão fiscal.

Esta semana a Austrália ordenou que todas as casas de câmbio que operam no país se inscrevam com sua agência antilavagem de dinheiro.

Estas são preocupações compreensíveis, mas uma linha precisa ser desenhada na areia. Os ganhos feitos em investimentos são tributáveis e as pessoas precisam entender isso.

Mas fazer afirmações selvagens e infundadas sobre os usos nefastos das criptomoedas como motivo para espionar e exigir a informação do usuário é errado.

As pessoas devem usar criptomoedas de forma responsável, mas também precisamos ter cuidado com as autoridades que utilizam o poder para forçar regulamentos novos e infundados sobre o desenvolvimento tecnológico mais importante do século XXI.