Fraudes e pirâmides de Bitcoin preocupam autoridades no Brasil

A Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM) a Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs) e outras instituições estão preocupadas com o uso de Bitcoin e criptomoedas para cometer fraudes mascaradas de investimentos financeiros, conforme reportou hoje, 01 de julho, o jornal Valor Econômico.

Segundo a reportagem as criptomoedas têm sido usadas para camuflar golpes em todo o país; sua volatilidade aliada a seu aspecto descentralizado, seria usado como chamariz para ganhos fáceis visando enganar investidores desavisados.

"Estamos alinhados com o resto do mundo. Esse movimento de golpes ligados a criptoativos é uma onda mundial, não só do Brasil", disse José Alexandre Vasco, superintendente de proteção e orientação aos investidores da CVM

O Superintende da CVM, declarou também que junto a Iosco, organização internacional que reúne as comissões de valores mobiliários de diversos países, a preocupação é de todos os membros demonstrando que o caso não está restrito ao Brasil.

Já Diego Perez,diretor-executivo da entidade, destaca que a instituição assinou com suas associadas um documento de intenção de padronização de procedimentos de compliance e normas de conduta. Com as novas regras as empresa que desejem se filiar a organização passam por um processo seletivo, que entre outras coisas verifica se a candidata atende padrões mínimos de ética e conduta.

"Já barramos empresas que não conseguiram demonstrar capacidade de cumprir esses parâmetros ou eram claramente esquemas de pirâmides. Nesses casos, comunicamos às autoridades competentes (...) A tecnologia pode fazer com que pessoas mal intencionadas se escondam atrás da 'inovação' para cometer fraudes",

Já Natália Garcia, vice-presidente da ABCripto, disse que estes esquemas fraudulentos prejudicam a imagem do Bitcoin e das empresas sérias do setor, "O mercado de criptomoedas no Brasil ainda é pequeno e está ganhando credibilidade aos poucos. Cada vez que há uma fraude, ataque hacker ou falha de sistemas nas empresas, realmente nos prejudica bastante", disse.

Como reportou o Cointelegraph, a suposta pirâmide financeira baseada em Bitcoin e criptomoedas, FX Tranding, encerrou suas atividades recentemente, depois de ser proibida pela CVM de exercer atividades no Brasil. A FX Trading prometia ganhos de até 3% ao dia com Bitcoin e criptomoedas, rendimentos que supostamente eram obtidos por meio de atividades de trading no mercado Forex, atividade considerada ilegal no Brasil.