Fintech significa Blockchain? Tem algo além disso?

A tecnologia Blockchain é apenas a primeira coisa que vem à mente sempre que uma discussão se concentra no tema das inovações fintech. A tendência de sinonimizar fintech e Blockchain não é totalmente defeituosa, especialmente considerando que mesmo o Fórum Econômico Mundial, em um relatório de 2016, disse que a tecnologia Blockchain mudará fundamentalmente a maneira como operam as instituições financeiras em todo o mundo.

Embora a tecnologia Blockchain provavelmente alterará a paisagem dos serviços financeiros, seria esquisito anexar o conceito de fintech exclusivamente ao Blockchain. Outras tecnologias, a inteligência artificial, por exemplo, também têm o potencial de mudar os serviços financeiros conforme os conhecemos. Esta peça analisa uma série de outras inovações que estão perturbando ou podem prejudicar a paisagem dos serviços financeiros.

Inteligência artificial

Simplificando, a inteligência artificial tem a ver com o desenvolvimento de sistemas informáticos que podem realizar tarefas que geralmente são realizadas por seres humanos — em muitos casos, de forma mais eficiente do que os últimos.

AIImagem: cdn.pymnts - Ciência - Raciocínio - Conhecimento - Intelig~encia Artificial - Computador - Aprendizado - AI (Inteligência Artificial)

As empresas de serviços financeiros estão implantando inteligência artificial para melhorar a maneira como fazem negócios já há várias décadas. Embora agora seja popular, a primeira Máquina de Atendimento Automático, ou ATM, só surgiu na década de 1960. Até então, o processo de retirada era inteiramente manual. Uso este exemplo para mostrar que a inteligência artificial no espaço financeiro não é um conceito novo. Já faz décadas há décadas. Eu também quero salientar que é o avanço da inteligência artificial que está disrompendo o espaço financeiro — assim como ela o disrompeu nas últimas décadas. Dito isto, aqui está como o avanço da inteligência artificial está perturbando a paisagem dos serviços financeiros.

Aprendizagem profunda. A aprendigem profunda é um subconjunto da inteligência artificial. O conceito de aprendizagem profunda é bastante complexo, mas podemos pensar nisso simplesmente como um conceito em que um sistema informático examina os conjuntos de dados para aprender padrões de forma gradual e, no final, usa o que aprendeu para agir ou não, ou oferecem informações rápidas sobre situações apresentadas.

Hoje em dia, a aprendigem profunda está sendo empregado no espaço de gerenciamento de portfólio para obter análise de transações em tempo real para um gerenciamento de portfólio mais forte. A Chipmaker NVIDIA também disse que as instituições financeiras têm investido em aprendigem profunda para gerenciar riscos e detectar fraudes através da análise de grandes quantidades e tipos de dados contrastantes. Além disso, os fundos de cobertura têm vindo a investir para ensinar computadores, através da aprendigem profunda, como imitar os comerciantes para que eles possam realizar atividades comerciais, talvez de forma mais eficiente, algum dia. A aprendigem profunda também tem uma promessa significativa no espaço de seguros, passando pela experiência do cliente, a subscrição e até o processamento de reclamações.

Há o aprendizado de máquina, que você pode pensar como o primo mais velho da aprendizagem profunda, que está disrompendo o espaço de serviços financeiros. Enquanto empregado nas indústrias de seguros e bancárias, a aplicação mais voltada para o consumidor foi no espaço de gerenciamento de riqueza, onde é empregado para construir robôs-assessores que ajudam os investidores de varejo a gerenciar seu portfólio. Os negócios das start-ups de gerenciamento de riqueza Betterment e Wealthfront são parcialmente baseados em robôs-assessores.

Interface de programação de aplicativos

Interface de programação de aplicativos ou API, simplesmente se refere a um conjunto de rotinas e protocolos para a construção de aplicativos de software e determina como os componentes de software interagem.

O uso da API para melhorar a prestação de serviços financeiros está sendo discutido dentro da indústria. Na Summit API 2008 Apigee FinTech, os especialistas apontaram as possíveis maneiras pelas quais o uso da API prejudicaria o negócio de serviços financeiros.

API
Imagem: i.pinimg

As adoções de APIs podem ajudar a acelerar o design e entrega de produtos para instituições financeiras. Peter Wannemacher, analista da Forrester com especialização em estratégia digital e setor de serviços financeiros, disse que a crescente "mentalidade móvel" pressurizaria as instituições financeiras para o seu jogo na identificação de "momentos móveis". Os momentos móveis são aqueles que o usuário de um telefone celular puxa seu dispositivo para obter um resultado. Considerando que não há nenhuma instituição financeira que possa reunir todas as informações para identificar verdadeiramente os momentos móveis, a Wannemacher previu que as APIs estarão no centro das coisas.

A API também oferece uma oportunidade para que as instituições compartilhem dados com outras instituições sem expor segredos operacionais importantes. A empresa de financiamento pessoal da start-up SoFi, da API de gerenciamento de patrimônio da Quovo, ilustra um bom exemplo de como a API oferece a oportunidade de unificação de dados, sem necessariamente ter que compartilhar ou mesclar sistemas operacionais. A API de autenticação da Quovo permite que a SoFi retire todas as informações de um cliente de suas contas para oferecer melhores serviços.

Identidade digital

Um dos principais obstáculos para a digitalização completa das finanças é a identidade. O sistema financeiro principal não pode fazer quase nada sem estabelecer a identidade de um cliente ou usuário, e isso é um problema com inovadores fintech. A maioria dos inovadores fintech procura oferecer produtos digitais completos, mas os desafios de identidade quebram o fluxo digital, forçando os inovadores a empregar canais físicos, como fotografias de carta de motorista. Em essência, se já tivermos ofertas puramente digitais, é necessário que haja um meio simples, mas confiável, de estabelecer a identidade digitalmente. A tecnologia Blockchain já foi orientada para ter o potencial de resolver problemas de identidade no mundo digital.


secureidnews
Imagem: secureidnews

Até agora, as mídias sociais têm sido úteis no estabelecimento de identidade digital, mas muitos especialistas não consideram a mídia social infalível. Houve tecnologias de gerenciamento de identidade baseadas em vídeo, que pegam alguns segundos de vídeo de um usuário e usam algoritmos para compará-lo com fotos de usuários fornecidas. De acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial de 2016, para fintech atualizar todo seu potencial, há necessidade de mais inovações de identidade digital.

A Samsung melhorou a conversa de identidade digital patenteando os smartwatches de sensores de identificação de veia, que leria a estrutura de veia de um usuário para ajudar a autenticar pagamentos. O sensor também pode detectar a frequência do pulso, que, como a estrutura da veia, é única para os indivíduos.

Finalizando

Independentemente da importância da tecnologia Blockchain para o futuro das finanças, precisamos ser realistas - não pode resolver todos os desafios que enfrentam apenas o panorama dos serviços financeiros. Diferentes inovações precisam ser capazes de trabalhar juntas em outras para obter maiores resultados. O Blockchain é apenas uma parte do fintech e não é um sinônimo de fintech.


Siga-nos no Facebook