Polícia Federal ainda não encontrou Bitcoins da Lava Jato mas mensagens sugerem pagamento por crime alega PF

Mesmo tendo buscado Bitcoins e criptomoedas nas principais exchanges de criptoativos do Brasil a Justiça Federal até o momento parece não ter encontrado BTCs ou critpomoedas que possam ter sido usadas como forma de pagamento para crimes cometidos pelos 'hackers da lava jato', no entanto, segundo a Polícia Federal, mensagens sugerem dos criminosos sugerem pagamento pelas invasões realizadas em autoridades ligadas a investigação.

Segundo o jornal Estado de São Paulo, em reportagem publicada na em 01 de setembro, mensagens como "acabou a tempestade" e "veio a bonança", seguida de fotos de Walter Delgatti Neto, com uma série de dólares, são apontadas como indícios de que o grupo recebeu pagamento pelas ações.

As conversas teriam ocorrido dois meses antes do início dos ataques e, segundo a Polícia Federal, “sugerem algum feito”, e representaria uma comemoração pela venda das mensagens, a conversa também é acompanhada da marcação, “@chefedeestado”.

O hacker nega ter sido pago pelo vazamento das mensagens. A Polícia Federal pediu a soltura Danilo Cristiano Marques e Suelen Priscila de Oliveira, também presos durante a operação, alegando que eles não oferecem mais riscos para a obteção de provas. A liberação deles deve ser decidida hoje, 02 de setembro.

Em nota, a defesa de Delgatti afirmou que:

“Considerando todo material apreendido há mais de um mês, tempo hábil para o delegado apresentar provas concretas dos supostos acessos, uma mera tentativa de acesso, sem comprovação de invasão, com cópia de dados, não justifica o acautelamento provisório. Ressalte-se que Walter Delgatti Neto é estudante de Direito e até o momento não apresentou nenhum risco à continuidade das investigações, sempre colaborando com a autoridade policia”, afirmaram os advogados.

Walter Delgatti Neto, o Vermelho, em foto postada com dólares. FOTO: ESTADÃO

Como reportou o Cointelegrah, em buca dos Bitcoins da "lava jato", o Deputado Federal Júnior Bozzella, (PSL-SP) protocolou um requerimento na Câmara dos Deputados, convocando para uma Audiência Pública, o editor do site The Intercept, o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, conforme pedido publicado em 13 de agosto.

Boezzella alega que Greenwald não conduz o site com imparcialidade, "o Site The Intercept tem um direcionamento político partidário de esquerda, o que deixa totalmente comprometida sua isenção na divulgação da atividade jornalística."