Líder de blockchain do Facebook diz que informações do Libra serão compartilhadas com as autoridades: 'Queremos nos afastar do Bitcoin'

David Marcus, líder da área de blockchain do Facebook e um dos principais responsáveis pelo projeto da criptomoeda da rede social, declarou que o criptoativo de Zuckerberg que se "afastar do Bitcoin" e que as informações do Libra serão compartilhadas com a justiça, segundo entrevista ao jornal brasileiro Estado de São Paulo, publicada hoje 18 de junho.

 “Queremos uma moeda global e uma estrutura financeira que permita milhões de pessoas a ter acesso à economia do mundo e guardar seus bens com segurança" declarou Marcus, afirmando depois que os dados do projeto Libra podem ser compartilhados com terceiros para a prevenção de ações criminosas ou fraudulentas ou para atender exigências legais dos países onde atua. 

Ainda segundo a reportagem a idéia inicial do Facebook não é 'lucrar' com taxas de transações envolvendo a Libra e por isso os custos associados nas transações do projeto "serão os mais baixos possívies", assim a rede social acredita que a adoção ser maior.

No entanto o Facebook não descarta 'mudar' estas regras e também oferecer serviços financeiros por meio da Calibra, wallet para o projeto Libra, “Definitivamente, vamos oferecer serviços de crédito”, afirmou Kevin Weil, vice-presidente de produto da subsidiária.

O líder de blockchain do Facebook não descarta também que bancos venham a integrar o projeto, “Mesmo que ofereçamos serviços similares no futuro, será bom, pois haverá maior competição na área financeira”, diz o executivo

Como reportou o Cointelegraph o Facebook lançou o white paper hoje, 18 de junho, do projeto Libra e, de acordo com a publicação, a stablecoin global do Facebook vai operar em uma blockchain nativa e escalável. Na outra ponta a criptomoeda será apoiada por uma reserva de ativos ostensivamente “projetados para lhe dar valor intrínseco”.

O Facebook afirma que o software que implementa a blockchain do Libra é de código aberto, a fim de criar um ecossistema aberto e interoperável de serviços financeiros e ampliar a inclusão. A nova criptomoeda será governada por um consórcio chamado "Libra Association", que supervisionará o desenvolvimento do ecossistema.