Facebook contrata empresa de lobby para aliviar a pressão regulatória sobre o Libra

O Facebook contratou uma empresa de lobby de Washington para ajudá-lo a lidar com as respostas negativas desencadeadas pelo anúncio do projeto de sua planejada criptomoeda Libra.

De acordo com um relatório da O'Dwyer PR publicado em 26 de agosto, a gigante das mídias sociais está trabalhando com a FS Vector - uma empresa de consultoria especializada em conformidade regulatória, política pública e estratégia de negócios para os setores de fintech, criptomoeda, blockchain e serviços financeiros. .

A conta no Facebook da Vector FS

Os documentos de registro de lobby do Facebook apresentados no Congresso dos Estados Unidos revelam que a empresa está mantendo a FS Vector como suporte em “questões relacionadas à política de blockchain”.

Liderando a conta do Facebook está o parceiro da FS Vector, John Collins, ex-vice-presidente de política internacional da subsidiária internacional da Associação dos Banqueiros Americanos, a Associação dos Banqueiros de Finanças e Trade.

Anteriormente, Collins trabalhou no Comitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado dos EUA e também liderou a primeira pesquisa do Congresso sobre moedas digitais em 2013.

Dúvidas persistentes

Conforme reportado, o capítulo mais recente do escrutínio contínuo dos reguladores dos Estados Unidos sobre a planejada criptomoeda global do Facebook envolveu uma visita para atender às autoridades financeiras da Suíça.

O Facebook optou por registrar a Libra Association, o consórcio independente de governança para o planejado token Libra, na Suíça.

Em uma audiência perante representantes da Câmara dos Estados Unidos em meados de julho, David Marcus - chefe do serviço de carteira do Facebook, o Calibra - alegou que a escolha "não tem nada a ver com burlar as regulamentações ou a supervisão", argumentando que a jurisdição é um centro internacional favorável para fazer negócios.

Após a reunião com autoridades do governo suíço e agências reguladoras locais na semana passada, membros do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados afirmaram que suas preocupações sobre "permitir que uma grande empresa de tecnologia criasse uma moeda global alternativa controlada por uma companhia privada" permanceiam de pé.