Exclusivo: Detalhes da reunião entre Rodrigo Marques e funcionários da Atlas revela Bitcoins 'desbloqueados' e viagens para o exterior

Como noticiou o Cointelegraph, Rodrigo Marques, CEO da Atlas Quantum, realizou uma reunião via videoconferência com os funcionários da empresa no último dia 11 de outubro e fez revelações sobre o futuro da companhia e a atual crise que vive a plataforma.

Fontes internas da empresa confirmaram o teor das declarações do CEO ao Cointelegraph e forneceram detalhes sobre o que Marques revelou. Nossa equipe tentou contato com a Assessoria de Imprensa da Atlas, mas a empresa informou que não presta mais serviços para a Atlas Quantum. Durante a conversa, detalhes sobre a AnubisTrade e sobre alegações a repeito da Atlas Quantum.

Confira os principais trechos abordados pelo executivo na reunião:

Atlas tem Bitcoins ‘liberados’ em fundos até então desconhecidos

Marques teria dito aos funcionários que a empresa, além dos bitcoins dos usuários nas exchanges teria também determinados fundos em outras plataformas e que não estariam sujeitos a nenhum bloqueio. O CEO destacou que esses recursos ao invés de serem utilizados para cumprir mandados judiciais contra a empresa ou para cumprir solicitações de usuários, foram usados para ‘tocar a companhia’. 

Os fundos supostamente não teriam sido parte do PPA da Grant Thornton e, até então, segundo fontes, seriam ‘desconhecidos’ para grande parte dos funcionários da empresa. Marques não revelou a quantidade destes bitcoins e nem em qual plataforma ou wallet estariam armazenados.

“De fato, temos bitcoins bloqueados em alguns fundos, mas temos também uma reserva de bitcoins disponíveis em outros fundos. Inclusive, é dessa reserva que estamos nos valendo para manter a empresa em operação (...)  Conseguimos fazer a liberação regular desses bitcoins, e é desse valor que a gente tem processado saques da conta da empresa para pagar os custos operacionais. Esses saques vêm do lucro que tivemos ao longo dos últimos anos. São valores da empresa, literalmente, e por isso, precisamos do empenho de todos vocês para mantermos o valor de custo operacional no menor nível possível.”, teria declarado.


Venda de bens da empresa para honrar saques

Durante a sessão de perguntas e respostas, um funcionário teria perguntado se podia pegar bens da empresa como forma de quitar saques atrasados e não honrados pela Atlas.

“Sou funcionário. Posso pegar equipamentos para descontar meu saldo na minha conta Atlas?“ ao que Marques teria respondido, sem contudo confirmar a solicitação: “A venda de ativos é uma prática de inovação saudável que criamos no começo do ano e também é adotada por diversas outras empresas.”

Saques em Reais a partir do dia 21 de outubro pode não atender todos os investidores

Marques também deu, naquele dia, os primeiros detalhes da solução depois anunciada oficialmente pela Atlas de resolver as pendências dos clientes que pediram a retirada de seus Bitcoin da plataforma.  O CEO garantiu que os saques serão processados em reais e que não haverá qualquer prioridade.

No entanto, Marques teria deixado ‘no ar’ que os valores não seriam suficientes para quitar todos as solicitações mas sim “uma parcela significativa de nossos investidores”

“Não há prioridade. Todos os saques serão liberados a partir do dia 21 de outubro, segunda-feira. Colaboradores, funcionários e investidores vão conseguir processar os seus saques sem transtornos (...) Vamos conseguir resolver o problema de uma parcela significativa dos nossos investidores, sem precisar depender de uma resolução do nosso relacionamento com as exchanges.

Viagem para a Holanda

Marques negou que tenha viajado para Holanda com a família, mas assumiu que esteve fora do país, segundo ele para tratar de questões relacionadas ao bloqueio de saldos nas exchanges:

“Não fui ao escritório nos últimos dez dias por questões de segurança (...) Precisei fazer viagens nacionais e internacionais para negociar pessoalmente com as exchanges e, assim, encontrar alternativas para essa crise. (...) Não é verdade que eu estou na Holanda. Fiz viagens para tratar pessoalmente com as exchanges, mas estou no Brasil (...) Essa conversa está sendo realizada via videoconferência porque, como já disse, infelizmente, eu e a minha família estamos sendo alvo de ameaças graves”, teria afirmado.

Saldo bloqueado nas exchanges

Embora tanto a HitBTC quanto a Gate.io declararamd que os videos e saldos exibidos pela Atlas Quantum em um vídeo sejam falsos, Marques voltou a afirmar que as alegações das exchanges são irreais e que os vídeos são verdadeiros. Além disso, também voltou a afirmar que os saldos estão bloqueados:

“Estamos em negociações diretas com as exchanges mas o assunto deve ser mantido em absoluto sigilo, sob pena de prejudicar as tratativas (...) A respeito dos tuítes das exchanges internacionais, assim como vocês, nós também fomos surpreendidos (...) Temos sim saldo nessas exchanges e, principalmente, temos como provar isso. Temos documentação legal para responder devidamente a essas acusações. Inclusive, nesse mesmo contexto, aproveito para rebater alegações de que o nosso vídeo é falso: não é. Temos documentos que comprovam as nossas movimentações e iremos apresentá-los em fórum e momentos oportunos”, disse.

Neste quesito teria sido feito uma pergunta, não respondida durante a videoconferência e que teve a resposta compartilhada posteriormente por Marques.

“As exchanges falaram que os nossos saldos não são reais. Para confirmar, podemos mostrar o API das contas?” ao que Marques teria respondido “Não, essa é uma informação de caráter sigiloso”.

Compra da AnubisTrade e saques atrasados na plataforma que pertencia a Matheus Grijó

Em meio a crise e sem honrar o compromisso de solicitações de saques de seus clientes, a Atlas comprou a AnubisTrade, plataforma que ofereceria serviços de arbitragem assim como Atlas. Marques garantiu que a operação não foi precipitada e que completaria o Quantum (robô de arbitragem da empresa).

O CEO não comentou detalhes da negociação e afirmou que, diferente dos clientes da Atlas, aqueles que tem recursos na AnubisTrade serão tratados de maneira diferente pois as operações não teriam sido integradas ainda. Desta forma, os saques na Anubis continuariam sendo feitos em Bitcoins. Embora o motivo do atraso nos saques na plataforma não tenham sido justificados.

“A aquisição da Anubis atendeu a uma estratégia do Atlas de incorporar e complementar capabilities que a empresa adquirida pode nos trazer (...) As estruturas e os processos da Anubis ainda não foram integrados ao Atlas Quantum. Com isso, as demandas seguem um fluxo de liberação independente, por enquanto”, disse.

Futuro da Atlas

Sobre o futuro da empresa, Marques disse que empresa vai superar a crise, “O Atlas Quantum é uma empresa extremamente saudável (...) Vocês têm a minha palavra de que o Atlas Quantum é uma empresa sólida e que vai superar essa crise, com o empenho de todos nós”, teria afirmado.

“A ideia é que a nossa plataforma seja um hub de estratégias de investimentos. Queremos possibilitar que as pessoas façam diversos investimentos, inclusive, futuramente, em trading. Algumas dessas oportunidades terão capacidade de investimento limitadas, com previsão de teto de limitação para captar recursos”, disse sem contudo garantir como estes novos investimentos seriam enquadrados na legislação brasileira e como eles seriam entendidos pela Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM).

Empresa continua suspensa pela CVM

Marques teria declarado também que a empresa embora ainda venha conversando com a CVM, a autarquia mantém a proibição a empresa e não tem prazo para rever sua declaração.

“Nós entramos com o pedido de dispensa de registro para oferta pública de arbitragem no Brasil, junto à CVM. Já recebemos a devolutiva e, como já era esperado, eles pediram mais informações. Com isso, devemos ter uma ou mais fases de interação. Essa negociação é algo bastante relevante para nós, e espero que a gente consiga a dispensa de registro. Já suspendemos a nossa propaganda para investidores”, disse.

Novas demissões podem ser realizadas

O CEO também destacou que eventuais demissões podem ser feitas na empresa, “que passa por um momento muito sensível (...) Decisões difíceis tiveram de ser tomadas com muita dor. E decisões duras estão por vir. Essas medidas têm o objetivo de garantir que a empresa continue operando”, teria declarado.

Outra empresa em edifício na Cerqueira Cesar

Funcionários questionaram as operações de uma empresa, supostamente vinculada à Atlas, que funcionaria no Edifício Çiragam e perguntaram qual seria a relação com ela, ao que o CEO teria respondido:

“Sobre a empresa que supostamente funcionaria no Ciragam, não há nenhuma relação com o Atlas” afirmou Marques.

A localização da empresa é exatamente no mesmo endereço da antiga sede da Atlas Quantum.

Como noticiou o Cointelegraph, a Atlas Quantum, declarou que pagará seus clientes no dia 21 de outubro. A data seria um "comprossio da empresa". O pagamento deve ser feito em reais não em Bitcoins. A notícia foi celebrada por parte dos investidores que tem seus saldos retidos na plataforma, enquanto outra parte, afirmou que deseja os valores em Bitcoins.