Brasil ganha nova exchange de Bitcoin e criptomoedas que promete custódia segura, a Bolsa Cripto

A Tritum Digital Assets anunciou, por meio de um comunicado de imprensa compartilhado com o Cointelegraph em 08 de janeiro o lançamento da Bolsa Cripto, uma nova exchange de Bitcoin e criptomoedas para o Brasil. No comunicado a empresa destacou que a Bolsacripto possui uma parceria com a Balance Custody, um dos principais depositários canadenses de ativos digitais que atende exchanges e outras empresas de criptomoedas.

"O Brasil tem sofrido com inúmeros golpes ocasionando diversos prejuízos aos clientes, além de exchanges com falhas e uma oferta geral de produtos subdesenvolvidos em um dos maiores e mais rápidos mercados de criptomoedas do planeta. A custódia tornou-se um setor de alto perfil do setor de ativos digitais, tornando-se cada vez mais relevante à medida que várias falhas em exchanges em todo o mundo. No Brasil diversos fatos em chamado a atenção para a necessidade de um custodiante confiável, com continuidade de negócios comprovada, backup, protocolos de planejamento de recuperação e sucessão", destacou John Willock, CEO da Tritum e que anteriormente teria trabalhado na Nasdaq.

A nova plataforma destacou que oferece 20 tipos diferentes de pares de negociação e que tem capacidade para operar até 1 milhão de ordens por segundo. Também tem suporte para 4 stablecoins, entre elas o PAX, dolar da Paxos e o BR.Mint (BRLM), uma stablecoin supostamente lastreada em reais e emitida pela exchange em parceria com a BlockXLabs.

"Esperamos trazer para os brasileiros a maneira mais simples de adquirir exposição a criptomoedas através do Bolsa Cripto. Estamos extremamente empolgados com a confiança que esse relacionamento de custódia oferecerá aos brasileiros para negociar e armazenar suas criptomoedas com nossa empresa. Com um histórico de decepções infelizes ou falhas não intencionais da plataforma, perdas irrecuperáveis ​​têm sido o maior problema no Brasil para usuários de exchanges de criptomoedas. Estamos comprometidos em aliviar essa preocupação e permitir que os usuários se concentrem na qualidade e variedade de ativos, liquidez e desempenho das oportunidades do criptomercado", finalizou Willock.

Como noticiou o Cointelegraph, em mais um episódio da batalha entre bancos e exchanges de criptomoedas no Brasil, o banco Itaú Unibanco declarou ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) que é inaceitável o acordo proposto pela Associação Brasileira de Criptoeconomia e Blockchain (ABCB) junto ao regulador para que bancos possam manter contas correntes de exchanges de Bitcoin abertas.

Confira mais notícias