Ex-diretora jurídica fala em 'intenção de fraude' da Atlas Quantum e classifica Bitcoins bloqueados como 'absurdo'

A ex-diretora jurídica da Atlas Quantum, Emília Campos, declarou em um grupo de WhatsApp na tarde desta quinta-feira que acredita que sua ex-empresa teria "intenção de fraude" e que as alegações de que os Bitcoins da Atlas foram bloqueados é "absurda". A notícia é do Portal do Bitcoin.

Segundo a matéria, Emília Campos disse que os BTCs só poderiam ser bloqueados caso a Atlas tenha feito "algo muito errado" e que todas as atitudes recentes da empresa apontam para uma fraude. Ela teria escrito em inglês aos membros do grupo:

"Eu acredito que eles têm a intenção de fazer uma fraude com todas as atitudes que eles estão tomando. Acredito que eles possam fazer isso porque perderam os fundos ou por que foram bloqueados por algo muito errado que fizeram.”

Ela também teria concordado com o comentário de outro usuário que levantava a possibilidade da empresa não ter reservas para pagar todos os clientes afetados pela crise nos pagamentos.

A crise na Atlas Quantum começou quando a empresa foi proibida pela Comissão de Valores Mobiliários de ofertar produtos de investimentos com criptomoedas. Desde então, os saques estão bloqueados ou atrasados e a empresa alega ter BTCs "presos" em exchanges internacionais.

Como noticiou o Cointelegraph Brasil em setembro, Emília Campos, por muito tempo uma das figuras mais emblemáticas da Atlas Quantum, disse em audiência na Câmara dos Deputados que foi demitida da empresa por fazer "perguntas demais" sobre o que estava acontecendo.