Observatório blockchain da UE publica relatório sobre tokenização, IA e IoT

The Blockchain Observatory and Forum da União Europeia  publicou um relatório chamado “Tokenização de ativos físicos e o impacto de IoT e IA” em 10 de abril.

Segundo o relatório, assinado pelo Dr. Tim Weingärtner, professor da Lucerne University of Applied Sciences & Arts – School for Information Technology, falou do conceito de “digital twin” (gêmeo digital), que refere-se a uma réplica digital do mundo físico. Esse espelho consistiria em dispositivos de Internet das Coisas (Internet of Things - IoT), big data, tokens representando objetos físicos, blockchain como contabilidade de confiança e Inteligência Artificial (IA).

O relatório diz que a blockchain teria papel importante na transformação digital ao oferecer confiança e permitir a identificação e tokenização de objetos físicos. Contratos inteligentes baseados em blockchain também têm sua importância, diz o relatório, por oferecer um  also play their part, the report argues,  ambiente computacional à prova de adulteração e execução automática de ações financeiras através do uso de criptomoedas.

O documento ainda ressalta a importância dos tokens e cita a blockchain Ethereum (ETH) como a mais importante plataforma para criação de tokens. De acordo com o autor, essa plataforma é preferível devido ao potencial de sua linguagem de programação, sua grande comunidade, implementações funcionando e modelos de código existentes.

O relatório conclui dizendo que a combinação de IoT com blockchain permitiria uma melhor gestão de cadeia de suprimentos, maior confiança, que permitiria o crescimento da economia de compartilhamento, troca e monetização de dados, gerenciamento de identidades e automatização. A combinação da IA com a tecnologia descentralizada por outro lado democratizaria os dados, asseguraria sua autenticidade, auditaria os contratos inteligentes e explicaria as decisões tomadas pela IA.

Ao mesmo tempo, segundo o relatório, robôs e drones seriam "atores do mundo digital, já que permitiriam a intervenção do mundo digital no mundo físico. O documento espera que o conceito de "digital twin" torne-se cada vez mais importante:

“Devido ao crescimento exponencial, que é descrito pela Lei de Moore e tantos outros estudos, o mundo físico será excedido pelo mundo digital nos próximos anos. Isso significa que velocidade, crescimento e complexidade irão aumentar e multiplicar.”

A Lei de Moore refere-se à observação — feita pelo CEO da Intel Gordon Moore em 1965 — de que o número de transistores em um circuito integrado denso dobraria a cada dois anos. Porém, o relatório falha em mencionar que a taxa de progresso na adequação de menos transistores em menos espaço está diminuindo. Além disso, a escala de transistores está atualmente chegando em seu limite máximo devido a uma propriedade quântica conhecida como "quantum tunneling".

Além disso, haveria um progresso para a continuação do desenvolvimento de tecnologias de processamento alternativas como computação quântica, computação ótica e computação neuromórfica. Tais tecnologias permitiriam a continuação da tendência de aumentar o poder computacional disponível.

Em março, um outro relatório publicado pela mesma organização deu recomendações sobre como desenvolver melhor a tecnologia blockchain, incluindo a introdução de padrões de interoperabilidade e escalabilidade.

Antes, em dezembro do ano passado,  mesmo grupo também defendeu um sistema de identidade digital baseado em blockchain e versões digitais de moedas nacionais.