Em Curitiba, Bosch possui espaço de inovação voltado para blockchain em IoT
Inscreva-se

Na cidade de Curitiba, a Bosch inaugurou a unidade brasileira do Connectory, espaço de inovação aberta da empresa, focado em cocriação para impulsionar o desenvolvimento de soluções e novos modelos de negócios que envolvem Internet das Coisas (IoT) em diversos setores de atuação. A Bosch também vem focando em inovação para indústria 4.0 e em blockchain.

No Brasil, o Connectory tem parceria com o Distrito Spark CWB, localizado no prédio da FAE Business School, e tem como foco as áreas de agronegócio, transformação digital, IoT, indústria 4.0 e inteligência artificial.

O Curitiba Connectory é o primeiro da América do Sul, mas outras localidades, como Chicago, Guadalajara, Londres, Stuttgart e Xangai, também contam com um espaço da Bosch dedicado ao compartilhamento de experiências e conhecimentos que reúne startups, instituições de ensino e empresas. 

O espaço é o primeiro da América do Sul, mas outras localidades, como Chicago, Guadalajara, Londres, Stuttgart e Xangai também contam com este espaço dedicado ao compartilhamento de experiências e conhecimentos que reúne startups, instituições de ensino e empresas a fim de fomentar a cultura de inovação e o mindset empreendedor.

Cada Connectory tem como foco as demandas e estratégias específicas da região onde está inserido e conta com parcerias alinhadas aos objetivos locais, sempre considerando o ecossistema de inovação junto à rede global.

Recentemente a empresa anunciou o desenvolvimento de uma  'fábrica do futuro' na qual processos de manufatura e logística serão conectados. A Bosch destacou que já tem 50 fábricas operando com estes sistema.

Como noticiou o Cointelegraph, a empresa confirmou uma parceria com a Fundação IOTA e que blockchain é parte fundamental dos desenvolvimentos da companhia.

"Os investimentos da Bosch em transformação digital são contínuos e o objetivo da empresa é estar entre os líderes globais em IoT. Sendo assim, as tecnologias de registro distribuída (DLT - distributed ledger technologies), como a blockchain, são estrategicamente fundamentais para os negócios da empresa e estão dentro do conceito de “Economia das Coisas” – que permite que as coisas se comuniquem de forma independente e interajam em ecossistemas inteligentes, conectados e seguros. Neste contexto, a Bosch tem trabalhado com parceiros como a Fundação IOTA para desenvolver testes em projetos que envolvem questões de segurança e monetização. Na América Latina, também estão sendo realizados testes-piloto internos com a tecnologia para aplicações em Indústria 4.0, por exemplo", destacou Jefferson Simoni, gerente de inovação em IoT da Bosch.

Confira mais notícias