Desenvolvedores por trás da criptomoeda nacional das Ilhas Marshall confirma planos para seu lançamento neste ano

A criptomoeda nacional para as Ilhas Marshall ainda está sendo ativamente desenvolvida, apesar das divergências anteriores entre os funcionários do governo sobre o assunto, revelou uma postagem da equipe por trás da moeda de 10 de janeiro.

No recente post, a equipe por trás da moeda - apelidada de Sovereign (SOV) - revelou que tinha feito "progressos significativos na busca de parceiros, investidores e desenvolvedores" para realizar o projeto. Como o post afirma, a equipe pretende lançar o SOV em 2019.

A equipe por trás da cripto apoiada pelo estado inclui o ex-secretário-geral do Banco de Compensações Internacionais, Dr. Peter Dittus, como economista-chefe do projeto.

O projeto também anunciou uma nova parceria com a firma de "notas inteligentes" Tangem, uma startup que opera na Suíça e em Cingapura.

O parlamento marshallês inicialmente apoiou o desenvolvimento da moeda digital nacional, de acordo com um relatório de fevereiro de 2018. Foi definido que a  criptomoeda seria usada junto com o dólar norte-americano, que o país usa como moeda oficial.

Em setembro, o projeto recebeu críticas de importantes organizações financeiras, incluindo o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Departamento do Tesouro dos EUA. O FMI alertou sobre os riscos potenciais do uso de uma criptomoeda como moeda legal, afirmando que “os potenciais benefícios dos ganhos de receita parecem consideravelmente menores do que os potenciais custos decorrentes de riscos econômicos, reputacionais, de AML/KYC e de governança”.

Em novembro, a presidente do país Hilda Heine, escapou por pouco de um voto de desconfiança, em parte devido aos planos de seu governo de introduzir uma moeda digital nacional.