Presidente das Ilhas Marshall enfrenta moção de desconfiança devido a planos de cripto nacional

A presidente da República das Ilhas Marshall, Hilda Heine, enfrenta um voto de desconfiança devido aos planos de sua administração para introduzir uma moeda digital nacional, reportou a Radio New Zealand News (RDZ) em 5 de novembro.

O parlamento marshalês inicialmente endossou a criação da moeda digital nacional, que seria chamada de Sovereign (SOV), em fevereiro deste ano. Definido para ser emitido antes do final de 2018, o SOV seria usado juntamente com o dólar americano, que o país usa como moeda oficial. Heine disse então que a introdução do SOV é "outro passo para manifestar nossa liberdade nacional".

Na segunda-feira, um grupo de oito senadores alegadamente apresentou um voto de desconfiança no governo Heine. A constituição marshallesa exige que uma votação seja realizada entre cinco e dez dias depois que uma moção de desconfiança é apresentada no parlamento do país, o Nitijela. A moção - que deve passar por maioria simples - foi introduzida no último de 50 dias da sessão parlamentar deste ano.

Na votação, o ex-presidente Casten Nemra afirmou que os planos de estabelecer uma moeda digital como moeda legal tiveram um impacto negativo na reputação do país. O plano, de acordo com Nemra, também resultou em críticas de grandes organizações financeiras, incluindo o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Departamento do Tesouro dos EUA.

Em setembro, o FMI advertiu o governo das Ilhas Marshall sobre os riscos de se adotar uma criptomoeda como um segundo curso legal, afirmando que isso representará riscos à integridade financeira do país, bem como relações com bancos estrangeiros. O FMI também instou as autoridades marshallesas a reconsiderarem a emissão de uma moeda digital até que o governo seja capaz de fornecer e implementar "fortes estruturas políticas".

Outro fator no voto de desconfiança dos senadores é a proposta de um refúgio especial para investidores, que as autoridades do Atol de Rongelap fizeram no início deste ano. O governo Heine rejeitou a proposta, dizendo que a oferta violava uma série de leis e acordos financeiros internacionais entre as Ilhas Marshall e outros países. Notavelmente, o mesmo grupo de senadores que introduziu a moção de não confiança em Heine também apoia a formação da Região Administrativa Especial do Atol de Rongelap.

O anúncio de Heine sobre a introdução da moeda digital estatal ocorreu na mesma época em que a Venezuela lançou uma criptomoeda nacional chamada Petro. A moeda foi supostamente projetada para contornar as sanções dos EUA e da UE que impactaram negativamente a economia do país. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou o lançamento de um banco de cripto subsidiado pela Petro para apoiar iniciativas de jovens e estudantes.