Procura por profissionais especializados em blockchain no Brasil aumentou em 2018, dizem especialistas

Embora incipiente, o mercado de trabalho em blockchain no Brasil vive um momento positivo desde o fim do 2018, com aumento na procura das empresas por profissionais especializados em compliance ou no desenvolvimento de aplicações com a tecnologia.

Em entrevista ao Cointelegraph Brasil, a consultora sênior da Michael Page - empresa inglesa de recrutamento corporativo - Francisca Mainardi, explicou que a demanda por profissionais em atividades relacionadas à blockchain vem crescendo desde novembro do ano passado com empresas internacionais estruturando escritórios no Brasil e algumas iniciativas locais. 

Sem citar números, a especialista afirmou que a Michael Page no Brasil recebeu entre julho e agosto de 2018 a primeira demanda por um profissional para atuação na esfera blockchain, mas no fim do ano a oferta de posições no setor passou a ser constante.

Para 2019, Francisca tem expectativas positivas, apesar do mercado ainda ser pequeno no Brasil. “É um mercado muito jovem, é um aprendizado para a gente também”, afirma. 

Filipe Moura, sócio-fundador da TailorIT, empresa de recrutamento e seleção especializada em TI com atuação no Brasil e na Inglaterra, também observou um mercado mais aquecido no fim de 2018. De acordo com ele, surgiram iniciativas mais capitalizadas e estruturadas, mas o impacto desta demanda no mercado de trabalho em tecnologia ainda é pequeno. 

Para os que querem investir profissionalmente na blockchain, Moura explica que o ideal é estudar as plataformas, testar e escolher qual faz mais sentido no nicho de mercado em que cada profissional atua. “A blockchain é muitas vezes uma camada de tecnologia utilizada em junção com outras tecnologias e linguagens. Nunca vai ter um app que é só blockchain.” 

Em seu Guia de Salários 2019, o PageGroup afirmou que profissões como especialistas e estrategistas em blockchain e inteligência artificial ainda estão se desenvolvendo, mas têm potencial disruptivo e vieram para ficar. O relatório mostra ainda as perspectivas de remuneração para diferentes posições em tecnologia da informação neste ano. 

A especialista da Michael Page lembra que a ausência de um mercado sólido no Brasil também significa que há espaço para a consolidação de lideranças locais na indústria. 

De acordo com publicação do Cointelegraph, globalmente, as vagas para profissionais em blockchain estão entre as mais promissoras. Um relatório do LinkedIn publicado em dezembro revelou que a posição de desenvolvedor de blockchain é a que cresce mais rápido nos Estados Unidos. 

Neste mês, o Ripple anunciou uma parceria com a USP para criação do pólo brasileiro da University Blockchain Research Initiative (UBRI). A parceria permitirá a oferta de disciplinas, cursos e pesquisas em blockchain.