⁠Os dApps oferecerão poder de aplicativos, mas combaterão a centralização

O histórico dos aplicativos é longo. Em 1983, Steve Jobs falou sobre que agora é conhecido como uma loja de apps. Na época, os usuários deveriam comprar aplicativos antes de testá-los. Nesse sentido, Steve Jobs explicou como uma loja de aplicativos iria disromper a norma atual usando uma analogia de loja de discos. As pessoas sabem quais os discos que querem comprar porque obtêm uma amostra grátis no rádio.

Na visão de Jobs, o setor de software precisava de uma abordagem similar, onde o usuário poderia primeiro verificar o aplicativo e depois baixá-lo completamente. Um quarto de século depois, em 2008, a Apple App Store foi lançada.

Conhecido como um "momento de interface do usuário" crítico, o início da App Store permitiu aos desenvolvedores criar e fazer upload de seus aplicativos facilmente, gerando receita e atingindo milhões de pessoas. Ao mesmo tempo, os usuários regulares podiam acessar muitos dos novos programas simplesmente baixando-os e/ou comprando-os na loja de aplicativos.

Apps

Enquanto a App Store foi um momento revolucionário para dispositivos móveis, a evolução não parou por aí. Desde então, os aplicativos mudaram e evoluíram, passando pelas três etapas descritas por Matthew Panzarino, coeditor do TechCrunch: o "modelo de dispositivo de informações", a "era da tela inicial" e agora a "era dos aplicativos como serviço de camadas."

Há, no entanto, um quarto estágio para a evolução dos aplicativos. A perspectiva de Aplicativos Descentralizados ou "dApps" qie foi popularizada pela plataforma Ethereum. De fato, o objetivo principal do Ethereum é a implantação de contratos inteligentes que possam interagir uns com os outros para criar esses mesmos dApps.

dApps

Simplificando, dApps são como aplicativos comuns, exceto que eles são totalmente descentralizados. Hospedados pelos nós que executam a própria rede Ethereum, esses dApps não dependem de nenhum servidor central ou de terceiros para funcionar. Sem um ponto central de falha, espera-se que os dApps sejam à prova de hacks e sem censura, ao mesmo tempo em que possam operar de forma totalmente autônoma.

Para acessar estes dApps, é necessário um navegador Ethereum especial. Um dos exemplos populares de um dApp é o Augur, um mercado de previsão descentralizado que se comunica diretamente com a rede Ethereum, sem passar por servidores intermediários.

Dois outros exemplos são a carteira Mist e MetaMask. Sendo um dApp, a carteira Mist é uma das aplicações mais antigas da rede Ethereum. Permite aos usuários interagir com sua carteira e com aplicativos descentralizados na rede. A Mist exige que os usuários baixem o Ethereum Blockchain, no entanto. Por outro lado, a MetaMask fornece uma extensão simples que pode transformar o seu navegador web em um navegador Ethereum.

No entanto, o caminho para a descentralização é longo e o Ethereum ainda é jovem. Embora existam centenas de projetos que alavanquem o seu Blockchain para crowdfunding, poucas aplicações totalmente descentralizadas foram lançadas e ainda menos foram verdadeiramente notáveis. A maioria dos projetos do Ethereum ainda usa componentes centralizados para entregar seu produto.

Por exemplo, um dos primeiros dApps de jogo no Ethereum pode ser usado simplesmente enviando transações para os respectivos endereços de contratos inteligentes, que então cuidarão de todo o processo. Embora os contratos inteligentes sejam o principal componente do projeto, ele ainda depende de uma página da Web centralizada para exibir os endereços e fornecer um front-end para os usuários.

Outros projetos estão alavancando o Ethereum Blockchain como um dos muitos componentes para seu projeto e não para a implantação de dApps especificamente. Esses componentes podem variar de transações e camadas de incentivo para um mecanismo de emissão de ações e outros tokens com respaldo de valor. Na maioria dos casos, o Ethereum acaba por ser pouco mais do que uma plataforma ICO.

No meio do caminho

Muitos aplicativos semidescentralizados incorporaram o "hype" do dApp, usando a palavra "decentralizado" de uma maneira bastante liberal. Agora está claro que o caminho para a descentralização completa do aplicativo levará anos. Até então, no entanto, parece que o mercado pode ficar mais saturado com todos os tokens e moedas específicas de aplicativos que estão sendo emitidos diariamente.

Com a maioria dos desenvolvedores aproveitando novos tokens para compras no aplicativo, publicidade e recompensas, a falta de interoperabilidade entre dApps é o resultado inevitável.

Não só o monopólio criado por empresas como Google e Apple prejudicam economicamente os desenvolvedores e usuários, além de apresentar um conjunto adicional de problemas, como a falta de transparência no que diz respeito à aprovação da loja de aplicativos e à falta de privacidade para os usuários cujos dados são coletados e vendidos, muitas vezes sem o seu conhecimento.

Para resolver esse problema e os problemas inerentes ao setor de aplicativos tradicionais, uma das lojas de aplicativos mais populares do mundo desenvolveu um novo protocolo para aplicativos e lojas de aplicativos que pode servir de base para a descentralização completa.

O sistema proposto pela loja procura eliminar o poder de intermediários como Google e Apple que colhem a maioria dos benefícios que provêm do trabalho dos desenvolvedores.

Caminho para a descentralização

Este sistema permite que aplicativos e lojas de aplicativos se tornem mais eficientes para os desenvolvedores e os usuários. Os desenvolvedores de aplicativos também se beneficiam de um sistema de reputação imutável que se estende a todas as lojas de aplicativos usando o protocolo.

Enquanto as aplicações e as lojas de aplicativos nunca serão totalmente descentralizadas, esse caminho pode criar uma base importante para a economia de aplicativos descentralizados. Uma vez que o primeiro passo for dado, os avanços técnicos podem ser feitos para garantir que esses aplicativos sejam 100 por cento resistentes a hackers e censuras.


Siga-nos no Facebook