Cibercriminosos movimentaram US$ 4,3 bilhões em crimes relacionados a criptomoedas em 2019

Os criminosos cibernéticos levaram US$ 4,3 bilhões de exchanges de moeda digital, investidores e usuários em 2019.

A empresa de segurança blockchain CipherTrace divulgou um relatório de roubos relacionados à criptografia em seu relatório de combate à lavagem de dinheiro, enviado ao Cointelegraph em 12 de agosto.

De acordo com a CipherTrace, roubos, fraudes e outros tipos de apropriação indébita de fundos de detentores de moeda digital e plataformas de negociação resultaram em perdas de cerca de US $ 4,3 bilhões ao longo de 2019.

No primeiro trimestre de 2019, hackers teriam roubado mais de US$ 124 milhões de exchanges cripto, de um total de US$ 480 milhões roubados de exchanges em geral em 2019.

O maior incidente único de perda citado pelo CipherTrace é o esquema PlusToken, que supostamente desfalcou usuários e investidores em US$ 2,9 bilhões.

Entre as moedas digitais mais populares para atividades ilícitas, os atores maliciosos utilizaram principalmente o Bitcoin (BTC) para compra e venda de drogas ilegais, armas, bem como credenciais cibernéticas e bancárias

Porém, dark markets e ataques de malware utilizaram outras criptomoedas, incluindo Ether (ETH), Litecoin (LTC), Monero (XMR), Bitcoin Cash (BCH) e Dogecoin (DOGE). O relatório destaca:

“Os resultados mostram que as moedas de privacidade são pouco usadas em mercados e locais clandestinos (por exemplo, apenas 4% dos casos envolvem o Monero). Em vez disso, o Bitcoin continua sendo a moeda reinante na clandestinidade, com o BTC sendo usado em 76 % de casos de mercados clandestinos e ETH utilizados em apenas 7% dos casos. ”

Quando se trata de malware e ransomware, os criminosos usaram o BTC em 98% dos casos relatados, enquanto o ETH foi usado apenas 1% do tempo.

Entre os casos mais importantes de roubo de criptomoedas nos últimos meses, um relatório da Organização das Nações Unidas afirma que a Coréia do Norte acumulou cerca de US $ 2 bilhões ao invadir bancos e exchanges de criptomoedas em 2019.