CVM apura denúncia de empresa Forex de Bitcoin promovida por Ronaldinho Gaúcho

 

Ronaldinho Gaúcho, craque do futebol que já encantou o mundo com suas jogadas pode estar envolvido em um suposto golpe que usa Bitcoin e criptomoedas. 

O ex-craque do futebol é o garoto propaganda da plataforma de investimentos LBLV que afirma trabalhar com operações baseadas em Forex, atividade proibida no Brasil pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"Considerando que até o presente momento não há qualquer oferta relacionada ao mercado Forex registrada na CVM, ou corretora autorizada pela autarquia a atuar nesse mercado, qualquer oferta feita no Brasil é ilegal. Isso inclui, mas não se limita, ofertas feitas por instituições estrangeiras por meio da internet", diz um alerta sobre o tema publicado no ano passado.

A empresa também vem recebendo reclamações no site Reclame Aqui. Além disso, a LBLV não estaria autorizada pela CVM a operar no Brasil e inclusive já haveria denúncias no regulador pedindo a investigação da empresa. Segundo um alerta publicado recentemente pela autarquia.

O Cointelegraph entrou em contato a CVM, que informou que está analisando a denúncia para averiguar os fatos narrados e então determinar eventuais irregularidades e publicar um alerta aos investidores.
 
A LBLV diz ter 36 escritórios espalhados em 5 continentes e cerca de 98 mil investidores. Este pode ser o mais uma polêmica do craque no setor de criptomoeda. O pentacampeão mundial esteve envolvido em dois projetos anteriores, que naufragaram: a Ronaldinho Soccer Coin e a Champion Coin.