Criptomoedas vieram para ficar, diz co-fundador da VTEX maior provedora para e-commerces da América Latina

O co-fundador da VTEX, Geraldo Thomaz, enfatizou que as criptomoedas vieram para ficar e que elas são condição sine qua non para que a globalização possa acontecer com menos atritos. A declaração foi feita durante uma coletiva de imprensa no VTEX Day, no dia 30 de maio.

"Eu acho que criptomoeda é condição  sine qua non para a globalização acontecer com ainda menos atrito (...)  ela veio para ficar. Se ela vai ficar com os bancos regulando ou não  é outra questão”, disse.

A VTEX foi apontada pelo IDC em 2018 como uma da principais empresas de software do mundo. Fundada por brasileiros ela fornece soluções principalmente voltadas para e-commerce e tem clientes como Nike, Coca Cola e Ambev.

Thomaz também destacou que os clientes da VTEX ainda não aceitam criptomoedas, mas que isso é um questão de tempo, “Nossos clientes ainda não aceitam criptomoedas de forma generalizada, mas eu acho que isso é uma questão de tempo”, afirmou.

Quando questionado sobre a importância de blockchain para operações de logística, Thomaz foi um pouco mais cético e disse que a tecnologia ainda vive uma grande contradição.

“Ela [blockchain] ainda não está agregando muito valor. Teremos que avançar nos modelos de negócios e na própria forma de fazer negócios por meio de blockchain para de de fato ter algo útil. Temos ainda um intrínseco conflito de interesse no caso de blockchain, No caso da IBM, por exemplo, se você tem uma companhia por trás que comanda aquela blockchain você centralizou de novo, então, o conflito vem dai, você tem uma tecnologia descentralizada mas um negócio centralizado, que não é de longe o objetivo do cara que inventou o blockchain. Então, acho que a tecnologia não encontrou o nicho ainda mas sem dúvida isso vai acontecer", disse,

O Cointelegraph noticiou que a VTEX integrou ao seu ecossistema soluções de pagamento com criptomoedas para e-commerce da fintech Z.ro Pay.