Executivo da Credit Suisse diz que a cultura dentro dos bancos está atrasando o uso das blockchains

O chefe de ativos de mercados digitais do Credit Suisse, Emmanuel Aidoo, disse que o desejo dos financistas de manter o status, está atrasando a adoção da tecnologia blockchain, informou o Business Insider em 23 de abril.

Em entrevista ao Business Insider, Aidoo disse que a falta de vontade dos bancos em adotar a blockchain está na cultura dentro dos bancos e não tem nada a ver com a imaturidade da tecnologia ou a falta de casos de uso potenciais dentro das organizações financeiras. Aidoo disse:

"O que está impedindo o setor bancário de se apressar para isso? Eu acho que é principalmente cultura. Acho que o ponto de inflexão é ter uma cultura empreendedora, uma disposição para forçar as pessoas a continuar perguntando o porquê."

Aidoo, no entanto, acrescentou que este ano a indústria verá pessoas interessadas nas maneiras pelas quais a tecnologia blockchain poderia beneficiá-las em termos de perfil de custo, com alguns bancos começando lançamentos mais significativos de produtos baseados em blockchain.

Em fevereiro, o banco de investimento global Credit Suisse e o Banco Best concluíram transações de compensação de fundos de ponta a ponta baseadas em blockchain. Em março deste ano, o Credit Suisse e os grupos de serviços financeiros do ING, sediados na Holanda, também concluíram com sucesso a primeira transação ao vivo de 25 milhões de euros (US$ 28 milhões) em títulos na plataforma blockchain Corda da R3.

Conforme previsões divulgadas recentemente, os gastos globais com blockchain podem chegar a quase US$ 2,9 bilhões em 2019, um aumento de 88,7% em relação a 2018. O setor financeiro será supostamente a indústria líder em gastos no desenvolvimento de blockchain este ano. Prevê-se que os serviços bancários, de valores mobiliários, de investimento e de seguros invistam mais de US$ 1,1 bilhão do total de gastos globais com blockchain.