Credit Suisse conclui transações conjuntas de fundos mútuos usando blockchain

banco de investimento global suíço Credit Suisse e o português Banco Best concluíram transações de fundo de ponta a ponta na blockchain, de acordo com um comunicado de imprensa publicado em 7 de fevereiro.

As instituições financeiras processaram todas as partes do processo de negociação de fundos através da implementação de uma plataforma descentralizada baseada em blockchain, a FundsDLT.

Projetado para melhorar a eficiência do processamento de transações de fundos com o uso de contratos de blockchain e contratos inteligentes, o FundsDLT reduziria o tempo entre o pedido e a liquidação da entrega do pedido para o processamento de negociação.

No âmbito da iniciativa, o Banco Best, com sede em Lisboa - especializado em gestão de ativos e negociação bancários - foi responsável pela integração da interface de programação de aplicações (API) e também desenvolveu uma aplicação dedicada para recolher as experiências dos clientes.

Uma transação de ponta a ponta ou de fundos mútuos representa um pool de dinheiro de um grupo de investidores que é colocado em uma carteira de ações, títulos e títulos do governo e que é considerado diferente da compra e venda de ações.

Claude Metz, Chefe de Serviços aos Acionistas do Credit Suisse, Luxemburgo S.A, observou que a tecnologia de ledger distribuído (DLT) seria combinada com a manutenção do Conheça seu Cliente (KYC).

Anteriormente, o Credit Suisse - que foi responsável por cerca de US$ 800 bilhões em ativos em 2017 - conduziu com sucesso a primeira transação "para valer" de US$ 30 milhões em títulos na plataforma Corda Blockchain do consórcio blockchain R3 em cooperação com o serviço financeiro holandês ING.