Gastos globais em blockchain vão crescer 89% em 2019, segundo novo relatório da IDC

Os gastos globais em blockchain vão chegar a marca de US$ 2.9 bilhões em 2019, o que representa um crescimento de 88,7% com relação a 2018, de acordo com um relatório da empresa de pesquisa de mercado dos Estados Unidos International Data Corporation (IDC). Publicado em 4 de março, o Worldwide Semiannual Blockchain Spending Guide da IDC oferece análise do desenvolvimento de blockchain em diversos segmentos.

De acordo com o relatório, o setor financeiro liderá a indústria em termos de gastos no desenvolvimento de blockchain neste ano. O sistema bancário, valores mobiliários, serviços de investimento e de seguridade são esperados para investir mais de US$ 1,1 bilhão do total de gastos em blockchain globais.

Por outro lado, serviços de manufatura e distribuição devem ter investimento de US$ 653 milhões e US$ 642 milhões respectivamente em 2019.

Em termos de casos de uso, é esperado que os acordos transfronteiriços e o financiamentos comerciais recebam investimentos de US$ 738 milhões, observa o relatório.

Na parte geográfica, o relatório diz que os EUA devem ter os maiores gastos com blockchain com US$1,1 bilhões, seguidos pela Europa ocidental e a China, que têm previsão de investimento de US$ 674 milhões e US$ 319 milhões respectivamente.

Stacey Soohoo, gerente de pesquisa da equipe de insights e análise de clientes da IDC, disse que 2019 será um ano de adoção mainstream, mas que "dependerá fortemente da reformulação da ideologia de uma revolução blockchain".

A IDC espera que os gastos mundiais em blockchain tenham rápido crescimento entre 2018 e 2022, com uma taxa anual em cinco anos de 76%, segundo o novo relatório. O estudo prevê que os gastos globais chegarão à soma de US$ 12,4 bilhões em 2022.

Anteriormente, a IDC previu que os gastos globais em blockchain chegariam a US$ 9,7 bilhões em 2021 e US$ 11,7 bilhões em 2022.

Recentemente, a empresa de auditoria do Big Four KPMG publicou uma perquisa dizendo que 48% dos executivos de nível C acreditam que a tecnologia blockchain poderá mudar a forma com que fazem negócios nos próximos três anos.