ConsenSys e WWF lançam plataforma levar transparência à filantropia

A ConsenSys, uma startup de blockchain fundada pelo cofundador da Ethereum (ETH) Joseph Lubin, e o World Wildlife Fund (WWF) lançaram em conjunto a plataforma Impactio para trazer transparência à filantropia

De acordo com o anúncio divulgado em 24 de setembro, uma nova parceria entre a ConsenSys e o WWF resultou em uma plataforma baseada em blockchain da Ethereum chamada Impactio, projetada para supervisionar e financiar projetos em organizações não-governamentais e empresas independentes. 

A intenção por trás da iniciativa é rastrear como os fundos das empresas são gastos em projetos de impacto social.

O que a Impactio resolve?

Indivíduos e empresas que utilizam a Impactio devem enviar seus projetos, fornecendo objetivos claros para aspectos como sustentabilidade, desigualdade, comunidades emergentes ou meio ambiente, de acordo com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

Depois disso, os curadores recebem os tokens Impactio em uma carteira digital, com a plataforma usando um sistema baseado na pesquisa da ConsenSys sobre o TCR (Registro Curado por Token) para selecionar e escolher projetos de alto potencial e, posteriormente, apresentá-los a potenciais financiadores. O anúncio explica ainda mais o papel do TCR no processo:

“É necessário que os curadores apostem seus tokens para apoiar um projeto e que os curadores que desejem contestar esse projeto apostem a mesma quantidade de tokens. Se não houver outros curadores que se oponham ao projeto, ele será aprovado e aparecerá para os doadores decidirem sobre o financiamento. Caso haja objeções, os curadores podem desafiar o projeto combinando os tokens apostados pelo curador que apoia o projeto.”

De acordo com Robby Greenfield, cofundador da ConsenSys Social Impact, “muitas organizações sem fins lucrativos lutam para mostrar que estão usando seus fundos de maneira eficaz e como isso alinha os objetivos de seus financiadores”.

De fato, o estudo do escritório de advocacia Nolo revelou que de 75% a 85% das 220.000 organizações sem fins lucrativos alocaram incorretamente suas despesas.

Participantes do setor adotam blockchain na filantropia

Como Francesco Nazari Fusetti, empreendedor social e fundador do token AidCoin baseado em blockchain da Ethereum e da plataforma de serviço completo CharityStars, disse anteriormente ao Cointelegraph: “As instituições de caridade devem manter contato com seus doadores durante todo o projeto e continuar atualizando-os sobre novas metas alcançadas” para provar que uma história de sucesso é verdadeira e para garantir que o trabalho seja sustentável. 

Ele adicionou:

"A adição de dados financeiros e comprovantes de pagamento definitivamente ajuda a criar uma história de sucesso, mas apenas com cripto e blockchain podemos ter o objetivo de dar total transparência ao uso de fundos".

No início de setembro, surgiram notícias de que a Rainforest Foundation US, uma ONG sem fins lucrativos com sede em Nova York que trabalha na América Central e do Sul, esperava apoiar os esforços de combate ao desmatamento com a tecnologia de cripto e blockchain.

A Binance Charity, a ala filantrópica da importante exchange de criptomoedas Binance, também começou uma campanha para ajudar a prestar apoio as vítimas do furacão Dorian.