Organização Pan-Africana de normas de blockchain apoiada pela comunidade publica esboço de diretrizes de ICO

O African Digital Asset Framework (ADAF) - um projeto que visa estabelecer padrões de blockchain transnacionais focados na conformidade para o continente africano - publicou a primeira versão de sua orientação para ofertas iniciais de moedas (ICO) em 25 de março. 

O ADAF é apoiado pela African Digital Asset Foundation (que compartilha a mesma sigla) - uma organização sem fins lucrativos e um projeto de código aberto fundado em novembro de 2018, que visa estimular a autorregulação e fomentar o estabelecimento de padrões legais e técnicos para apoiar o comércio digital entre o continente africano e os integrantes da diáspora.

De acordo com um post no blog oficial que acompanha o novo padrão, intitulado “Diretrizes de Proteção ao Consumidor em Eventos de Geração de Tokens, versão 0.1”, o documento foi preparado por uma comunidade de código aberto de 17 empresas, que juntas representam 14 países sob a égide do projeto ADAF. Como o post no blog descreve, o esforço coletivo visa:

“Criar um conjunto de padrões para consumidores, formuladores de políticas e empreendedores seguirem ao avaliar ou participar de eventos de geração de token para ecossistemas baseados em utility token.”

O uso do termo “eventos de geração de token”, em vez da “ICO” mais comumente utilizada, é proposto com base no fato de que o termo reflete mais precisamente o objetivo pretendido dos projetos de ICO, ou seja, financiar e construir “ecossistemas distribuídos que capacitam comunidades”. para construir infraestrutura básica para tecnologias de ledger distribuído.”

Observando o status amplamente não regulamentado do atual cenário TGE/ICO, o ADAF argumenta pela necessidade urgente de autorregulação através da criação e aplicação de padrões comunitários que protejam os consumidores e, assim, mitiguem as perspectivas de aperto da regulamentação externa a ponto de sufocar a indústria nascente.

Os membros da comunidade do ADAF estão convidados a postar comentários e debater os tópicos diretamente em uma versão do Google Docs das diretrizes da TGE.

O post no blog observa que o ADAF está atualmente elaborando diretrizes para o “sistema de titulação de terras com oráculos e contratos inteligentes, uma estrutura de security token e identidade autossoberana”.

As organizações membros fundadoras do ADAF incluem a empresa de capital de risco blockchain, Raise, do cofideicomissário da ADAF, Martin Coleby, o acelerador de blockchain Kotani e o desenvolvedor de software alba.one. O site do ADAF também cita o apoio de embaixadores da União Africana (UA) e do Banco Africano de Desenvolvimento e lista a robusta startup blockchain da África BitPesa e EOS Nairobi como patrocinadores do projeto.

Como publicado anteriormente, o Fórum Econômico Mundial (WEF) nomeou a CEO e fundadora da empresa de pagamentos africana BitPesa, Elizabeth Rossiello, para servir como uma das duas copresidentes do Conselho Global de Blockchain em janeiro deste ano.

Juntamente com iniciativas voltadas para a comunidade, como a ADAF, o reconhecimento em nível estatal e supranacional da necessidade de estabelecer padrões - legais, regulatórios ou técnicos - para o setor de blockchain continua a ganhar força em todo o mundo.