Não foi só o Bitcoin que valorizou em 2019: ações de empresas brasileiras tiveram alta de 189% no ano

Praticamente 100% das empresas brasileiras que abriram seu capital no Brasil e no exterior, realizando IPO, tiveram uma valorização acima do esperado pelo mercado e, com alta de até 189%, chegaram bem próximas a valorização do Bitcoin em 2019, que, até o momento é de 198%.

Das sete empresas nacionais que realizaram IPO somente o banco BMG teve queda nos seus papéis enquanto todas as demais apresentaram alta em seus papéis. A Centauro (CNTO3) por exemplo teve alta de 185% desde que abriu seu capital em abril. Já a Neoenergia (NEOE3), subiu 57,5% desde a abertura, em junho. A lista também têm Vivara, 21,8% desde 10 outubro e C&A 10,8% desde 28 de outubro.

Já o Bitcoin iniciou 2019 sendo cotado a US$ 3733 e, no momento da escrita, seu valor é de US$ 7.425 uma valorização de quase 200% em todo o ano, no entanto, desde seu pico de valor, perto dos US$ 14 mil o Bitcoin luta para manter seu valor acima de US$ 10 mil, chegando a cair duas vezes abaixo de US$ 6800, ocasionando leve 'pânico' ao mercado.

No Brasil, embora o ano não tenha sido dos melhores para os investidores de Bitcoin que presenciaram três grandes empresas suspenderem o saque de seus clientes, Grupo Bitcoin Banco, Atlas Quantum e 3xBit, a Bovespa teve o melhor ano de sua história, totalizando R$ 89,6 bilhões em volume de emissões e 'batendo' mais de 111 mil pontos.

Como noticiou o Cointelegraph, Mike Novogratz, co-fundador do banco comercial de criptomoedas Galaxy Digital, destacou que o Bitcoin ficará acima de US$ 12 mil em 2020 e que Donald Trump, perderia as próximas eleições presidenciais por pelo menos 10 milhões de votos.

Confira mais notícias