Relatório financeiro do T3 da Coincheck mostra melhoria de duas vezes após a retomada do comércio

A corretora on-line japonesa Monex Group - proprietária da já hackeada exchange de criptomoeda Coincheck - divulgou seu relatório financeiro no terceiro trimestre do ano fiscal de 2019 em 31 de janeiro. O relatório mostra que a plataforma de negociação reduziu suas perdas no terceiro trimestre, em comparação com o trimestre anterior.

Os resultados do relatório cobrem o terceiro trimestre encerrado em 31 de março de 2019. Eles indicam que o segmento de ativos cripto da Monex - composto pela Coincheck, que foi adquirida pela Monex em abril de 2018 - registrou uma perda total de 300 milhões de ienes (cerca de US$ 2,76 milhões). Isso, no entanto, representa uma melhoria de duas vezes em relação ao segundo trimestre do ano fiscal de 2019, quando o segmento registrou uma perda de 600 milhões de ienes (mais ou menos US$ 5,52 milhões).

Monex’s total operating revenue for its crypto asset segment. Source: Monex

Receita total de operação da Monex para o segmentode ativos digitais. Fonte: Monex

Como publicado anteriormente, a Coincheck sofreu um hack recorde no setor em janeiro de 2018, quando cerca de 534 milhões de dólares em NEM (XEM) foram roubados de suas carteiras. As operações da exchange foram posteriormente suspensas.

Após a retomada da criação de novas contas, depósitos, retiradas e negociações limitadas no final de outubro de 2018 - com o serviço sendo expandido ainda mais em novembro - os volumes de negociação da exchange recuaram fortemente e continuam a aumentar.

Os resultados da Monex também revelam que, a partir de dezembro de 2018, foram registrados 1,73 milhão de downloads do aplicativo Coincheck, dos quais 900.000 passaram a se tornar usuários com identidade confirmada.

O documento da Monex ainda indica que a empresa estabeleceu um “Blockchain Lab” (“BCLab”), que visa fornecer soluções de tecnologia blockchain e criptomoeda para empresas.

Além de retomar a negociação na plataforma no outono, a Monex garantiu neste mês uma licença oficial dos reguladores japoneses para a Coincheck, trabalhando durante o ano passado para reformular os sistemas de segurança e gerenciamento da plataforma, bem como para reembolsar as vítimas do hack.

Apenas alguns dias atrás, a Monex divulgou um comunicado de imprensa alertando sobre um novo golpe que alegava estar relacionado a seus negócios. A fraude supostamente envolve vítimas em potencial sendo convidadas a participar de uma forma de sistema de negociação automatizado supostamente ligado à Monex - algo que a empresa enfatizou que não existe.