Circle corta outros 10 funcionários e rejeita conexão com saída do CEO

A empresa de pagamentos Circle demitiu outros dez funcionários, após a notícia de que seu CEO, Sean Neville, deixou sua posição - eventos que a empresa diz que não têm vínculos.

Em 11 de dezembro, um representante da Circle disse ao Cointelegraph "simplificamos alguns departamentos e eliminamos cerca de 10 funções". O porta-voz confirmou que a empresa estava procurando se concentrar em sua stablecoin, USDC. Hoje, a empresa cunhou outros US$ 2,8 milhões da moeda. 

Não relacionado à saída de Sean Neville como CEO

As notícias seguem a recente transição do cofundador e CEO, Sean Neville, para um cargo no conselho de administração da empresa em janeiro de 2020. No entanto, um representante da Circle disse ao Cointelegraph:

“Nada disso está relacionado à transição de Sean. Sean continuará inserido no quadro de funcionários da Circle.

Neville lançou a Circle com Jeremy Allaire em 2013. Na empresa, ele dirigiu muitas das mudanças nos últimos anos, incluindo um pivô do Bitcoin (BTC) e a aquisição da exchange de criptomoedas Poloniex, em 2018.

Segundo informações, ele continuará suas atividades com o Center, o projeto conjunto entre a Circle e a Coinbase, que produziu a stablecoin nativa da empresa, a USD Coin (USDC).

Ex-executivos da Circle se aventuram por conta própria

No mês passado, dois ex-executivos da Circle, Daniel Matuszewski e Julien Collard-Seguin, ao lado de um terceiro parceiro, fundaram a empresa de trading de criptomoeda CMS Holdings. A empresa planeja investir 30% de seu capital nas criptomoedas mais líquidas, como Bitcoin (BTC) e Ether (ETH), e 40% a 50% em ativos digitais menos negociados.

Matuszewski, que deixou a Circle em agosto, admitiu que não teria fundado uma empresa semelhante há alguns anos devido a preocupações com riscos. Ele explicou:

“Sempre havia uma chance diferente de zero de que o bitcoin se abrisse, morresse e nunca mais voltasse. [...] Agora é muito mais seguro, provavelmente não vai desaparecer."