'Capital da tecnologia' na China emite alerta contra atividades de criptomoeda

A capital tecnológica chinesa de Shenzhen emitiu um alerta contra atividades ilegais relacionadas a criptomoedas.

A agência de notícias local Eastmoney informou em 21 de novembro que o Leading Group for Remediation of Internet Finance Risks (Grupo Líder de Remediação de Riscos Financeiros da Internet) de Shenzhen, investigará e coletará evidências de atividades ilegais envolvendo criptomoedas

A proibição de criptomoeda aumentou a segurança, diz órgão oficial

O aviso do Grupo Líder afirma que, desde que a China proibiu as operações locais de exchanges e ofertas iniciais de moedas (ICOs) em 2017, as atividades ilegais associadas a criptomoedas e riscos financeiros foram bastante reduzidas.

Ainda assim, o regulador observa que o recente endosso da tecnologia blockchain pelo governo central revigorou a especulação de criptomoeda. Além do aumento da especulação, o número de atividades ilegais relacionadas a criptomoedas também aumentou.

O aviso cita como exemplos de atividades ilícitas no setor, a emissão de criptoativos, ICOs, usos fictícios da tecnologia, captação de recursos em trocas fiduciárias e de criptomoedas, entre outros.

Após acumular evidências, o regulador planeja realizar ações de execução contra essas atividades de acordo com o “Announcement on Preventing the Risk of Subsidy Issuance of Financing" (Anúncio sobre Prevenção do Risco de Emissão de Financiamento por Subsídio).

Atualmente, a China está lidando com o crescente interesse público em criptomoedas e blockchain, após o endosso oficial do presidente Xi Jinping ao desenvolvimento de tecnologia blockchain.

Como o Cointelegraph relatou recentemente, a mídia estatal chinesa disse que existem cerca de 32.000 empresas na China que afirmam usar a tecnologia blockchain, mas a maioria delas está aproveitando o hype para promover sua empresa. Na realidade, apenas 10% das empresas que afirmam usar a tecnologia blockchain realmente a implantam, afirma a CCTV.