Gigante chinês de mídia social WeChat proíbe transações de cripto em sua política de pagamento

A gigante chinesa de mídia social e provedora de serviços de pagamentos WeChat proibiu transações de criptomoeda em sua política de pagamentos. Dovey Wan, sócio fundador da empresa de investimento em cripto Primitive, tuitou a notícia em 7 de maio.

O tuíte continha uma captura de tela das mudanças na política, que sugere que os usuários que participam de exchange de criptomoedas terão suas contas encerradas.

Wan expressou preocupação com o fato que, como a maioria das transações sobre o balcão (OTC) que acontece no WeChat, "isso pode afetar a liquidez local até certo ponto". O WeChat é um provedor popular de serviços de mensagens e pagamentos na China, também com integrações de jogos.

As regras atualizadas - que entram em vigor em 31 de maio - afirmam que "os comerciantes não podem se envolver em transações ilegais, como as de moeda virtual", a emissão de tokens, a venda de pornografia ou jogos de azar on-line.

Changpeng Zhao, fundador e CEO da importante exchange cripto Binance, comentou que acredita que as restrições foram impostas à empresa. Além disso, Zhao também definiu os desdobramentos “um exemplo clássico de dor a curto prazo, ganho a longo prazo”. Ele explicou:

“É inconveniente para as pessoas a curto prazo e elas são atingidas. Mas a longo prazo, é precisamente esse tipo de restrição de liberdade que levará as pessoas a usar cripto. Não é algo ruim."

Por fim, ele observou que seria difícil superar a experiência de usuário oferecida pelos serviços de pagamento do WeChat se não fosse por essas restrições.

O WeChat Pay registrou um volume total de transações diárias de mais de 1 bilhão (moeda não especificada), enquanto o número total de usuários supostamente chegou a 1,098 bilhão no final do ano passado. De acordo com o TechNode, o aplicativo também é popular entre os idosos, com 98,5% dos chineses entre 50 e 80 sendo usuários do WeChat.

Como o Cointelegraph informou no mês passado, a grande cidade chinesa de Guangzhou emitiu uma licença comercial usando blockchain e tecnologia de inteligência artificial também apresentando uma integração com o WeChat.

No final de janeiro, saíram notícias que a concorrente do WeChat Pay, o Alipay, e o WeChat Pay, supostamente solicitaram que a exchange cripto Huobi removesse seus serviços de pagamento de sua mesa de operações de balcão.