Promotores chineses acusam suspeitos finais em $2,3 bilhão na investigação da OneCoin

Os últimos quatro suspeitos em um caso de dois anos contra o alegado esquema de pirâmide OneCoin foram processados na província de Hunan da China, a agência de notícias local apoiada pelo governo Justice Network relatou nesta quarta-feira, 23 de maio.

A Procuradoria da província de Hunan, do distrito de Zhuzhou, examinou 106 pessoas, processou publicamente 98 e recuperou cerca de 1,7 bilhão de yuans ($266 milhões) de mais de 20 províncias da China no decorrer do caso. Os acusados receberam de 10.000 a 5 milhões de yuans em multas (cerca de $1.500 - $782.000), bem como quatro anos ou menos de prisão.

Em 2016, as autoridades chinesas já haviam apreendido mais de $30 milhões de dólares durante sua investigação do alegado esquema de pirâmide.

A Justice Network relata que a organização OneCoin - “Weika Coin” na China - cujo servidor está localizado em Copenhague, na Dinamarca, trabalhou “constantemente induzindo novos investidores a realizarem altos lucros imaginários”, “defendendo enganosamente” o valor das moedas e "Tentando outros a investir enormes somas de dinheiro em seu site."

O esquema de pirâmide, ou organização de MLM, teve 27 contas pool, mais de 140 membros de diferentes custos e um total de mais de 2 milhões de usuários registrados localizados na China. No total, os fundos envolvidos no esquema são mais de 15 bilhões de yuans (cerca de $2,3 bilhões), de acordo com a Justice Network.

No ano passado, a Itália impôs uma multa de € 2,5 milhões na OneCoin depois que a Italian Antitrust and Consumer Protection Authority (AGCM) classificou a organização como esquema pirâmide.

Mais recentemente, em Janeiro deste ano, representantes da polícia búlgara, bem como unidades de combate ao crime da União Europeia invadiram o gabinete da OneCoin na Bulgária, a pedido do Escritório do promotor alemão. Enquanto documentos e servidores foram apreendidos nos escritórios e 50 testemunhas foram interrogadas, nenhuma prisão foi feita na época.

Em 2015, a Cointelegraph advertiu os leitores para que ficassem longe da OneCoin, referindo-se a ela como uma fraude.