Baidu se junta aos gigantes da tecnologia Tencent e Alibaba na imposição de medidas anticripto na China

A gigante chinesa de tecnologia Baidu se uniu a Tencent e Alibaba na imposição de novas medidas anticripto, de acordo com a postura endurecida de Pequim, informou na segunda-feira, 27 de agosto, o South China Morning Post (SCMP).

O "Google" da China, o Baidu fechou pelo menos dois fóruns de bate-papo relacionados à cripto, de acordo com o SCMP, com um aviso informando aos usuários que a medida vem "de acordo com leis, regulamentos e políticas relevantes".

Enquanto isso, a Tencent –– a operadora da plataforma de mídia social WeChat, de 1 bilhão de usuários, divulgou um comunicado anunciando sua própria proibição do comércio de cripto. A plataforma informou que irá monitorar as transações diárias em tempo real e bloquear quaisquer transações suspeitas.

A gigante chinesa de comércio eletrônico Alibaba –– a qual a subsidiária Ant Financial opera o popular aplicativo Alipay –– por sua vez, disse que vai restringir ou banir permanentemente qualquer conta que considere envolvida em transações de cripto.

Todos os três anúncios acompanham de perto a grande investida da semana passada de medidas anticripto na China. Isso incluiu a proibição de todos os locais comerciais de sediar eventos relacionados a cripto no distrito de Chaoyang, em Pequim, juntamente com medidas direcionadas a canais de comunicação ou "lacunas" por meio das quais os investidores chineses podem ganhar exposição a Ofertas Iniciais de Moedas (ICO) e tráfico de cripto.

Conforme relatado em 21 de agosto, o WeChat bloqueou permanentemente várias contas relacionadas a cripto e blockchain –– incluindo CoinDaily, Deepchain e Huobi News –– que foram acusadas de publicar “hype” em violação dos regulamentos introduzidos no início deste mês.

Em 24 de agosto, a Alipay anunciou que bloquearia as contas que usam sua rede para transações no mercado de balcão (OTC) de Bitcoin (BTC) e estabeleceria um sistema de inspeção para “sites e contas chaves”. A Ant Financial também disse que planeja conduzir um programa de "prevenção de riscos" com o objetivo de educar os usuários sobre os perigos da falsa propaganda relacionada a cripto.

Em 25 de agosto, o Banco do Povo da China (PBoC) emitiu seu próprio alerta declarando que estaria aumentando as medidas rigorosas contra as ICOs "ilegais".

De acordo com a CT Japão, novas medidas também estão em andamento para endurecer a “limpeza” de canais de pagamento de cripto de terceiros, incluindo aqueles usados pelas plataformas OTC.

Em janeiro deste ano, uma repressão recente de Pequim já havia visto plataformas de negociação marginais, incluindo banimento de recursos peer-to-peer (P2P) e OTC, aumentando o embargo ao comércio de cripto para fiduciário e ICOs em vigor desde setembro de 2017.