Casas de câmbio digital chilenas chegam aos tribunais para combater que os bancos "matem toda uma indústria"

As casas de câmbio digital chilenas BUDA , Orionx e CryptoMarket (CryptoMKT) recentemente pediram a um tribunal de apelações para enfrentar os bancos que desligaram as contas de suas plataformas, segundo a Bloomberg informou sexta-feira, 13 de abril. O tribunal concordou em ouvir o caso, mas as contas bancárias ainda estão fechadas.

De acordo com o canal de notícias local Emol , os bancos Itaú Corpbanca e Scotiabank anunciaram o fechamento das contas bancárias da BUDA e da CryptoMKT em 19 de março. Uma semana depois, o banco estatal del Estado de Chile seguiu a ação confirmando o fechamento das contas de todas as três casas de câmbio.

A comunidade cripto chilena lançou a tag no Twitter #ChileQuiereCryptos (Chile quer cripto) para apoiar a indústria e manter a capacidade de os cidadãos comprarem e comercializarem criptomoedas como Bitcoin (BTC), bem como moedas lançadas localmente Chaucha e Luka. O usuário do Twitter Hernán Maureira condenou as ações dos bancos em relação à indústria cripto, alegando que “enquanto o mundo está correndo de mãos dadas com essa tecnologia, o Chile dá um passo atrás”.

O co-fundador e CEO da BUDA, Guillermo Torrealba, comenta que a decisão dos bancos de fechar contas está "matando toda a indústria". De acordo com a Bloomberg, a plataforma BUDA negociava cerca de $1 milhão diariamente antes de sua conta bancária ser fechada. Torrealba continuou:

“Não será possível comprar e vender criptomoedas em um negócio seguro no Chile. Teremos que voltar cinco anos e negociar em pessoa. Parece muito arbitrário.

Em 27 de março, a BUDA e a CryptoMKT publicaram uma declaração pública pedindo à Associação Chilena de Bancos (ABIF) para esclarecer sua posição sobre criptomoedas e comércio de ativos digitais. No entanto, a instituição alegou que não é responsável por resolver o problema entre bancos e casas de câmbio, afirmando que tais regulamentações são “competência exclusiva de cada instituição”.